Coisas para fazer com sua namorada perto de mim

10 Coisas que você deve parar de fazer para sua namorada agora mesmo Posted on 22/05/2014 às 22h45 23/10/2015 às 14h19 Author Luciano Hilton. Compartilhar no Facebook; ... A seguir, confira 10 falhas comuns cometidas pelos homens e que têm grande chance de deixar a sua namorada irada! 1) Fingir que a escuta. 10 coisas românticas para dizer à sua namorada 😘 Agora fica muito romântico. Diga essas coisas para sua namorada para fazê-la se apaixonar por você de novo. 1. Você ilumina meu dia toda vez que eu te vejo. Isso vai mostrar a ela o quanto ela realmente significa para você. 2. Aliás, todo dia é dia de se dizer Coisas Lindas Para Dizer Para Namorada. São pessoas importantes em nossa vida e que merecem a atenção devida, sem esquecer em nenhum dia. Por isso, após muito nos pedirem via comentário e também através de e-mails recebidos, resolvemos fazer um post exclusivo sobre o assunto. 29/abr/2020 - Explore a pasta 'Coisas fofas para namorada' de Vitor Machado no Pinterest. Veja mais ideias sobre Coisas fofas para namorada, Frases apaixonadas, Citações sobre amor. 11 frases lindas que a sua namorada gostará de ouvir. Confira alguns exemplos de coisas lindas para dizer a namorada e, com isso, manter a relação sempre aquecida. Palavras que reforçam o sentimento de importância na mulher. As frases abaixo expressam o quanto você a considera especial e importante. Você tem de fazer com que a garota respeite você como pessoa se quiser que ela sinta sua falta. Ela tem de saber que você tem sua própria vida com outras coisas acontecendo, seus próprios amigos e seus passatempos, do futebol à guitarra. Se ela achar que você não tem nada para fazer, vai pensar que pode sair com você quando quiser ... Domine o sorriso de canto de boca, expressão sexy que ajudará a sua namorada a entrar no clima. Fale de perto. Inclinar-se para um pouco mais perto que o de costume vai instigá-la a aproximar-se e beijá-lo. Cuide da higiene. Tome banho e arrume-se antes de qualquer compromisso a dois — ser asseado é atraente. Então o que você pode fazer para diminuir o dano, porque na mente da sua ex-namorada, a imagem que ela tem de você mudou. Embora ela não tenha completamente escrito você para fora de sua vida, você é provavelmente a última pessoa que sua namorada quer ver agora. Por isso, fizemos uma lista com dezenas de frases românticas para namorada para você enviar a sua e dizer a ela, de diversas maneiras, como você tem sido feliz desde que a encontrou. Você vai impressioná-la e deixá-la ainda mais apaixonada. Afinal, não tem nada melhor do que receber carinho da pessoa que amamos. Oque fazer quando sua namorada reclama de cólica Minha namorada tá reclamando de cólica oq fazer?? ... Pra mim, quanto mais a diabetes estiver por perto é melhor kkk. 0 arrasou. 50tonsdeliberdade . 2 anos Da coxinha, x tudo , barra de chocolate, sorvete, brigadeiro, batata frita, dá pastel ,cachorro quente! ... uau, palmas para o ...

Isso ta desnecessariamente longo hein

2020.09.18 03:55 MEIXXMO Isso ta desnecessariamente longo hein

Vou falar várias coisas sobre mim nesse desabafo, não é nada interessante então é... só avisando.
Porra, 3 vez escrevendo essa merda hein... é realmente difícil escrever sobre si, porque eu quero anotar tudo o que se passa, mas são tantas coisas... sinceramente seria legal se eu parasse de complicar tudo, porque eu sei que sou eu quem está impondo muros e sendo uma merdinha, saca. Mas fazer o que, to na adolescência, e dizem que é uma fase conturbada mesmo, não?
"Por que você é tão estranha?" "Sua depressivazinha" "seus bostinhas" kkkk, ela provavelmente nem se lembra, mas eu fico aqui remoendo isso, e porra, por que que quando eu me sinto triste e choro, eu fico rindo????? VAI SE FODEEEER ISSO E BIZARROOO
Detalhe: desculpem pelas palvras de baixo calão, normalmente sou muito quieta, mas sei lá, eu sou "doente da cabeça" de acordo com ela, né? Kk porra, to fazendo muito drama sobre isso.... eu realmente queria ser calma do jeito que aparento por fora sabe, conseguir silenciar minha mente enquanto ouço lofi ou sei lá, mas fico lembrando das merdas que já fiz e isso me deixa tão, sei lá, é uma mistura de nervosismo com raiva e tristeza e arrependimento sabe, porque tipo, PRA QUE?! Eu SABIA que aquilo era algo extremamente burro, então POR QUE?!
Caara, sabe, foi com uns 11 anos que comecei a me afastar das minhas amigas, essa época foi uma merda. Eu adorava descontar minha raiva na minha pele, e consequentemente acabei usando moletom todos os dias quando ia pra escola~ kkk, minha mãe tinha vergonha de mim, odiava que que eu deixasse minha franja na frente do olho, mas adivinha, eu não deixava, ela que caía por eu sempre estar olhando pra baixo, e eu também acabei ficando cansada de colocar atrás da orelha. E sabe, até hoje isso é bem conveniente, porque quando eu acabo chorando na sala a franja esconde, na maioria das vezes, NA MAIORIA ESSA MERDAAA
A garota que sei la, eu gosto? Nao? Eu realmente não sei, só sei que quero estar com ela, ou sei la, pelo menos saber que ela está bem, as vezes percebe isso. "Você está bem?" Ela diz "sim" e ela sabe que eu minto, mas como? Eu sou tão mal mentirosa assim vey? Uma vez isso aconteceu num amigo secreto que eu deicidi de forma impulsiva ir, e quando vi como todos eram tão próximos, eu chorei... ela foi, perguntou sobre e eu menti, ae ela chamou o professor ;-; poxa, aquele dia me deixou triste, tipo, sei lá, eu fui muito estranha?? Quando ele tirou minha franja da frente e viu minha cara eu me senti humilhada, nao isso, mas tipo, envergonhada sabe? Ahhh sei laaaa
Minha relação com a minha classe não é das melhores, e por minha culpa. Lá todos são muito gentis, e eu acabo afastando todo mundo ao ponto de ja terem falado que sou "macumbeira" ou "satanista", mas sinceramente eu acho que mereço... antes dos 11 anos, quando eu tinha amigas, eu era mentirosa com minhas amigas, sempre exagerando verdades ou contando mentiras absurdas, me sentia superior a todos, disfarçava minha inveja por ódio e sei lá, quando notei isso eu realmente fiquei em choque... tipo, eu era muito amigável com elas e tudo mas quando eu sentia raiva eu acabava descontando nelas, ao ponto de ja ter deixado uma com dor de cabeça por causa da porra de um jogo. Até hoje me amaldiçoo por isso...
Sabe, eu nem duvido que seja só eu pensando nessas coisas, mas ainda assim... sei lá, me sinto mal perto das pessoas, nunca sei o que falar e acabo sempre mudando a conversa pra um rumo estranho ou desagradável. Eu prefiro muito mais me expressar agindo, tipo, eu já cozinhei doces para uma garota que não sei se gosto no sentido romântico, talvez eu só esteja confundindl porque sou uma virjona solitária ;-; mas ainda assim, adoraria poder conversar normalmente com ela... Enfim, agir é tão melhor, tipo, eu realmente queria chamar alguém pra ficar deitada comigo ouvindo lofi ou sei lá, cozinhando (amooo fazer doce, só sei fazer isso, comida de verdade é saudável demais pro meu gosto Ò ^ Ó kk mas eu ja disse isso né? Hum, acontece) mas é...
Foda que mesmo antes da quarentena, eu não posso sair de casa. Eu realmente odeio esse fato, sei la, queria poder ir no shopping mesmo que sozinha, saca. E deve ser muito reclamação de burguesa, mas ainda assim, odeio, ODEIO o fato de que eu sou atrasada, no sentido de só ter tido permissão pra lavar a própria louça com uns 12 anos ou até mesmo cortar minha própria comida. Ou sei lá, só participar de modinhas adolescentes de forma atrasada e vergonhosa. Eu só faço merda cara...
Sabe, agora eu tenho aquela coisa de controle dos pais porque eu não quis mostrar meu whats pra minha mãe (porque tipo, qualquer coisinha pra minhha mãe já é algo grande) e ela acabou explodindo. Odeio isso, não posso nem mais ter amigos online, e nem conversar com o Italo, um cara que realmente era um amigo foda que conheci por uns 1 ano e meio sabe, era tão hilário passar a madrugada com ele, E DROGAAAAA EU TO CHORANDO AGORA serio eu tenho tanta saudade dele :( mas sei lá, já se passaram uns anos e agora conversar com ele não tem mais aquele clima sabe, de tipo, eu poder falar abertamente sobre qualquer coisa. E se alguém começar com o papo de "ah ele pode ser perigoso e blablabla" primeiro: ele tinha namorada. Segundo: a gente só zoava vey, eu mal falava da minha vida mesmo, a nossa coonversa só fluía...
Bom, sei lá, é inútil ficar pensando nessas coisas mas ainda assim, não dá pra evitar, que hoje as coisas estão tão, tipo, chatas? Não é isso, talvez sem graça? Eu realmente não sei explicar... mas é, dá pra entender o que uma idiota introvertida e rude pensa nessa quarentena né? Eu não duvido que esteja enlouquecendo aos poucos, porque tipo, tá tudo tão perfeito, a gente vai se mudar agora pra uma casa muito melhor, eu tenho uma cachorrinha linda, agora posso mexer no fogao pra fazer minhas coisa mas sei la, eu teimo em ser a bosta que sou, hein, MERDAAAA Sabe Sempre que to sozinha eu acabo aprofundando esses e outros pensamentos, Eu sempre acabo chorando. Ae eu sempre repito: "Acontece" Isso realmente me deprime. Era pra acontecer? É normal isso? Tipo, deve ser, mas ainda assim, é tão doloroso, é tão irritante não poder mais sentir que posso me salvar. Tipo, eu não consigo imaginar meu futuro saca, eu sempre me vejo indo pra sacada aos 18 anos ou indo trabalhar pra uma empresa qualquer e ter uma vida qualquer. Talvez seja algo muito futuro, mas ainda assim, eu TENHO que pensar sobre isso.
Eu sei de todas as minhas falhas, sou chata, orgulhosa, feia, burra, lenta, desonesta e etc. E é por isso que eu me odeio... odeio tirar fotos, odeio fazer provas, odeio ter que me levantar e me esforçar pra qualquer coisa, porque no fim das coisas, nada disso vale o esforço. Eu vou morrer de qualquer jeito, então pra que me importar? Sabe, isso é um pensamento constante que inclusive uso para me acalmar. Eu cochicho um "eu vou morrer amanhã", e surpreendentemente, dá certo! Olha que legal, nossa! ;-;
Enfim, é, também não sei qual o objetivo desse texto, só acabei fazendo mesmo... nah, acontece.
submitted by MEIXXMO to desabafos [link] [comments]


2020.09.10 05:47 Cadaverin Me sinto sozinho

Como se palavras e validações de completos estranhos fosse me ajudar em algo, aqui estou novamente. Já vim lhes dizer que me sentia poeira, que morreria sozinho. Já contei da minha ex-namorada (aquela que abriu um buraco na minha alma e na sequência cagou nele). Dar-lhes pedaços de minha vida era ao mesmo tempo um refúgio e uma maldição. O primeiro porque me permitia dar vazão aos espíritos que me sobrecarregam os ombros; o segundo, pois achei que me faria bem.
Mudou em nada, claro.
Faz 1 ano que terminamos. Eu estive com outras mulheres no ínterim. Nenhuma delas conseguia extrair meu sorriso mais sincero. Risadas falsas com piadas a la carte, e nada disso era real. Quando fechava os olhos para beija-las ou enquanto chegava perto de um orgasmo, sua imagem era a única que me vinha a mente. Formosa, esbelta, lendo meus olhos como se fossem seu livro preferido e mostrando sua satisfação em um sorriso enorme. Torto. Lindo.
Faz pelo menos 7 meses que não relaciono com ninguém além do meu cigarro. Não os brancos, falo de tabaco, daquele que você põe na seda, enrola e fuma. Habilidade essa que aprendi com ela também.
Pequenos cacos fazem uma grande janela, e muitos desses pedaços foi ela quem colou. Alguns desenhados a mão, outros roubados de um supermercado qualquer. Olhar para fora é ve-la em fragmentos, obstruindo a luz; uma miragem. Não importa quantas pedras eu arremesse, a vidraçaria continua intacta onde ela tocou, e estilhaçada onde não esteve.
Eu devo muito a ela. Primeiro por me ensinar a ser humano. Substituir meu processador por um coração e me mostrar que nem tudo na vida é racionalização. De suas mãos vieram o calor que deram partida no meu maquinário, assim como foram suas palavras que guiaram o condutor. Sei que muitas coisas são recíprocas, mas já não ouço mais o cantor deste pássaro. Ele pode ter feito ninho longe daqui, como pode ter sido devorado por predadores a espreita.
Devo-lhe também meu vazio. As coisas boas se foram todas, assim como as ruins. Não é verdade que quem não sorri também pensa em sua morte - de alguns cenários se ausentam ambos. As vezes caminhamos sem rumo, as vezes saltamos sem paraquedas. Nada é certo além de quem somos.
Ninguém demonstra interesse por mim como você fez um dia. Meu estigma talvez escorra, feda, afaste. Não sei se por medo de nunca atingirem seu tamanho ou por saberem que minha luz se apagou. Eu não tenho muito a oferecer além de quem sou, e agora que fui roubado de mim, sequer tenho isso.
Obrigado por me matar. Eu não teria coragem de fazer isso sozinho. Agora experimento o que sempre ouvi de seus lábios ser seu maior medo.
Descartável.
submitted by Cadaverin to desabafos [link] [comments]


2020.08.31 05:18 _powerguido_ Senta que lá vem história

Ficamos juntos por 5 anos. E não foram 5 anos fáceis - minha ex namorada teve problemas que eu não sabia como ajudar. Ela era literalmente stalkeada por um ex colega de classe que simplesmente se apaixonou por ela e passou mais de dois anos perseguindo ela no trabalho, no mestrado, na academia. Chegou a conspirar com colegas da faculdade pra saber onde ela estava, quem eram as pessoas próximas dela. Tentou rapta-la, mais de uma vez. Subornou familiares para ficarem do lado dele. Pra ela, ele era só um cara que não sabia expressar os sentimentos bem. Se ele parou? Não. Mas reduziu a agressividade consideravelmente e hoje em dia se limita à "só" mandar um buquê de rosas no aniversário dela.
O cara já estava tão enraizado na vida dela antes de eu aparecer, que eu simplesmente não consegui convencer nem mesmo a minha ex de que ele era um cara realmente transtornado. O terror que era esse cara na vida dela só serviu pra agravar ainda mais o caso grave de ansiedade que ela tem. Vocês sabem o que é ver uma crise de ansiedade pela primeira vez, sem nem entender o que estava acontecendo? Mas uma crise grave mesmo, de fazer a pessoa chorar por duas horas sem parar, de ficar arranhando o corpo todo com as unhas e viver com hematomas nos membros do corpo por causa disso. E isso começou a ficar constante... uma hora eram uns arranhados no rosto, depois nas pernas. Até o dia em que eu fui ver ela e os dois antebraços estavam quase em carne viva.
E o pior, é que eu quase nem me lembro mais dessa época. Foi muito intenso e me afetou negativamente por muito tempo. Eu conseguia entender que um babaca machista se via no direito de perseguir uma mulher só porque ela não queria namorar com ele - mas meu deus do céu, eu com certeza não conseguia entender como ela mesma não via o quanto ela precisava de uma ajuda profissional por causa da influência negativa desse cara na vida dela (e por vários outros motivos que não valem nem a pena serem citados). Ela me usava como substituto pra tudo que ela não tinha na vida dela - um pai, um irmão, um psicólogo, um amigo. E eu me deixei levar, porque era ingênuo. Porque era meu primeiro namoro. Porque eu achava que eu podia consertar isso. "Depois das primeiras sessões no psicólogo ela vai perceber que esta fazendo bem pra ela", eu dizia pra mim mesmo. Passamos em tantos psicólogos, psiquiatras, gurus. Fizemos academia juntos, eu praticamente morava com ela e não ficava mais com minha família. Eu achava que eu podia dar um jeito na vida daquela menina.
E sinceramente? Eu podia mesmo. Eu não acho que falei alguma coisa errada pra ela em todo o tempo que estávamos juntos. Mas ela nunca me ouvia. E se ela ouvisse, talvez ela tivesse passado por essas situações com mais facilidade, nosso relacionamento teria tomado outros rumos e nós ainda estaríamos juntos. Mas não estamos, e quem está perdendo com isso é ela, porque ela não me superou com certeza. Ela mesma me fala isso.
Eu não acho que eu era um namorado incrível e maravilhoso. Eu nunca tive um carro pra conseguir dar um rolê com ela. Com meu dinheiro mal dava pra gente ir no cinema uma vez por mês. Mas cara, eu me esforçava tanto, tanto mesmo. Lembro que eu um dos dias dos namorados eu quase varei a noite fazendo uma carta à mão de umas 10 páginas, tinha vários desenhos coloridos, poemas apaixonados e promessas de amor. Ela achou ok. Gostou mais do bicho de pelúcia que eu também dei, que custou 10 reais e que claramente não tinha nenhum valor sentimental pra mim. É muito difícil lidar com um cara que persegue sua namorada, mas acho que é mais difícil quando sua própria namorada não dá valor pra como você expressa seu amor por ela.
Mas você leitor deve estar pensando "Mas você disse isso pra ela?" E a resposta é sim. Eu sempre fui sincero com ela, se algo me chateava, eu dizia. Nada do que eu estou escrevendo aqui é algum segredo pra ela. E eu achava que ela ia trabalhar essas informações pra criar um relacionamento mais confortável pra mim e pra ela. Mas ela escolheu ignorar.
Mas o motivo de eu estar escrevendo tudo isso mesmo na verdade é outro. A gente terminou, mas foi razoavelmente tranquilo e decidimos continuar nos falando. Nós dois somos adultos, não é porque discordamos de alguns pontos que precisamos deixar de apreciar a companhia um do outro pra todo o sempre.
E é aqui que sou obrigado a voltar pro começo do nosso namoro. Porque apesar de termos iniciado o namoro cada um com mais de 30 anos, perdemos a virgindade juntos. Crescemos sexualmente juntos. Aprendemos tanto juntos! Eu mais ainda, visto que era meu primeiro namoro. E eu reclamei muito aqui da minha ex (e ela realmente tem os defeitos muito marcantes dela), mas eu também preciso admitir que ela em muitos momentos foi tão minha parceira, minha confidente, minha amada. Eu passei calado por todas as situações que eu já descrevi aqui e muitas outras tão ruins quanto porque, no fundo mesmo, pra mim estava valendo a pena. A gente tinha intimidade, apesar da dificuldade extrema dela de se abrir pra mim. Eu estava sacrificando meu bem estar mental e físico para sustentar o nosso relacionamento.
Tanto que só perto do final do nosso relacionamento que ela assumiu pra mim a atração por outras mulheres. Eu entendo ela, tem gente que não reage bem à isso. Eu tenho certeza que a família dela não reagiria nada bem. Entendo que era um segredo que ela queria deixar só pra ela, e que mesmo com toda a intimidade sexual que a gente tinha, ela também tem o direito de manter coisas só pra ela. É justo.
Só que eu não fiquei com raiva, nem com medo de ela querer me trocar por uma mulher, nem tive essa ideia fetichizada de transar com duas mulheres ao mesmo tempo. Eu sou um cara hétero, mas eu acho o amor lésbico de uma sensibilidade e de uma beleza inexplicável. Eu sempre me sinto mais seguro perto de mulheres, sempre me conecto mais com elas. Desde pequeno eu gosto da presença feminina. Então a ideia de duas mulheres partilhando um relacionamento, parece uma coisa quase mágica pra mim. E de novo, não é nada sexual nem fetichizado, eu realmente só acho muito bonito mesmo. Então qual foi minha reação quando descobri que minha ex tinha vontade de viver isso que eu acho tão incrível? Incentivei ela à correr atrás disso.
Mas é claro que ela, criada numa família extremamente católica, iria simplesmente sair atrás de uma guria do dia pra noite. Foram meses de conversa, de aceitação da parte dela também, de entender que ela não era uma aberração da natureza porque sentia atração pelo mesmo sexo (e também pelo sexo oposto). Nossos últimos meses juntos foram repletos de muitas conversas relacionadas ao mundo LGBT+ e afins. Acho que nós dois também já sabíamos que as coisas não estavam mais super bem entre nós, e que era questão de tempo até a gente se separar. Nosso relacionamento estava bem desgastado mesmo. É estranho porque a gente consegue ser extremamente forte pra parceira quando ela precisa ir correndo pro hospital, ou tem uma crise de pânico, ou não se sente segura na rua e precisa que você pare o seu dia para fazer companhia à ela - mas parece perder a motivação quando essas situações se normalizam e você percebe que talvez aquela pessoa simplesmente não tem a proatividade de te mandar uma mensagem perguntando "como foi seu dia", e de alguma forma sempre está online no whatspp. Sim, nosso relacionamento acabou. E foi bom ter acabado. Eu precisava desse término, muito mais do que eu precisava de uma namorada.
Mas também é muito bom saber que aquela pessoa por quem você passou anos cultivando um sentimento também está vivendo a vida dela. É bom saber que dá pra gente marcar um dia pra devolver as roupas dela que ficaram aqui em casa, sem drama, sem dor de cabeça. Ela foi muito madura no término, eu também. De certa forma nosso namoro acabou, mas continuou como uma amizade - bem menos intensa, bem menos problemática, bem mais fácil de lidar. Mas também sem as partes boas, sem aquela sensação de que se está ajudando a pessoa. Mas é muito mais do que milhares de pessoas separadas têm hoje em dia. Não posso reclamar, eu tenho muita sorte.
Eu só queria mesmo poder partilhar com ela a experiência da descoberta homoafetiva dela. O que não vai acontecer, já que ela já deixou claro que não é obrigada a revelar nada da vida pessoal dela agora que nosso relacionamento terminou - e ela tem total razão nisso. Eu sei disso, eu concordo com isso, e ao mesmo tempo eu acho que ela está sendo tão injusta por me negar esse fato.
Eu sei que não justifica, mas eu me dediquei tanto ao nosso antigo relacionamento juntos. Tive que entender que eu não estava mais sozinho no mundo, eu tinha alguém pra dividir o mundo comigo. Eu tive que aprender a baixar minha guarda, contar o que me dava medo, me expor totalmente à alguém, me desconstruir inteiro. E isso é muito difícil pra mim. Eu sei que ela não me deve nada, e eu sei que eu sou um idiota por me apegar tanto à esse motivo tão besta. Mas isso é realmente importante pra mim. Tem uma coisa dentro de mim que é ansiosa em saber se minha ex está se sentindo acolhida por uma outra mulher, se teve uma boa primeira experiência. De novo, eu sei que soa muito trivial, mas é uma verdade tão grande dentro do meu coração que me faz querer chorar quando lembro que isso nunca vai acontecer.
E não tem nada que eu possa fazer a não ser aceitar. E é exatamente isso que eu venho tentado fazer, pelos últimos 6 meses.
submitted by _powerguido_ to desabafos [link] [comments]


2020.08.17 02:59 gimme-that-potato Uma das melhores decisões que tomei foi começar a tomar remédio para depressão

Olá, meus queridos.
Como o título sugere, venho aqui compartilhar minha experiência, pois acredito que possa acabar ajudando alguém aqui. No mais, vou poder pôr algumas ideias em ordem e poder dar uma desabafada. Tentarei ser breve, mas sei que não vai rolar rs, e acredito que meu texto não será tão linear.
O negócio é o seguinte: nunca fui apaixonado pela vida, de modo geral. Sempre fiz minhas coisas e tudo mais, mas essa tendência já me fez ficar para baixo (talvez algumas vezes depressivo) em algumas partes de minha vida. Nada disso me impediu de viver normalmente, sentir alegria, felicidade, paixão, correr atrás do que gosto, etc.
Acontece que ano passado estava em uma época braba. Havia terminado a faculdade, saído do emprego para prestar um concurso que não passei, e estava desempregado. Porra, estar desempregado é foda. A sensação de ficar em casa sem produzir é péssima.
Chegou uma hora que quis me cortar. Nada de suicídio, e nunca acreditei que pudesse fazer isso (apesar de estar com a constante sensação de querer nunca ter nascido), mas não deixa de ser um sintoma bem preocupante. Quando comecei a me dar uns pequenos cortes (escondidos), entendi que era hora de voltar pra terapia. Voltei para a mesma psicóloga que conheço há uns anos e confio bem.
Cabe aqui fazer um parênteses sobre depressão: há vários jeitos de melhorar esta doença. Contudo, tem um estudo recente que analisou a mistura entre dois tratamentos variados (ioga com psicólogo; meditação com psiquiatra; prática de esportes com meditação; etc.), e a melhor combinação de tratamento encontrada foi: acompanhamento psicológico junto com psiquiátrico. Não significa que tem que deixar outros tratamentos de lado, mas essa foi a melhor fórmula comprovada para combater.
Outra coisa: se você quer buscar um psicólogo, o que super recomendo, não importa a linha que ele ou ela segue. Freud, Lacan, Jung... nada disso importa. São ferramentas elaboradas para chegar em um mesmo objetivo. O que importa é você encontrar alguém que você vá com a cara. Alguém que você confie em desabafar. Não adianta conversar com um psicólogo pica das galáxias se você não se sente à vontade com ele.
Enfim. Começando a terapia, comecei a perceber diversos outros sintomas. Já não estava com a mesma concentração de antes. Me perdia no meio de frases. Estava me desconectando do mundo. Até atividades mais prazerosas estavam soando trabalhosas ou cansativas demais para mim. Meu prazer em coisas comuns, como comer algo bom, estava diminuindo. Foi a primeira vez que minha psicóloga sugeriu eu procurar um psiquiatra para me ajudar.
De início me senti mal, pois nunca tomei remédios para a cabeça. Mas depois veio um certo alívio: eu simplesmente estava doente, como uma gripe, e talvez precisasse só tomar um remédio. Você tem ideia de como é um alívio entender que sua mente te prega peças, e o motivo de você estar mal pode ser simplesmente algo fora de seu controle? Como uma mera desregulação hormonal, ou falta de algum receptor no cérebro, algo assim.
Falando com o psiquiatra, ele me passou um remédio relativamente novo, que, a grosso modo, estimula a produção de receptores de certos neurotransmissores na minha cabeça. Em outras palavras, ele estimula o cérebro a "captar mais prazer", ao invés de criar o prazer em si (como uma droga ilícita geralmente faz). Tanto é que é um remédio de tarja vermelha, e que não vicia (apesar de dar efeitos colaterais).
O início do tratamento foi bem ruim. O primeiro efeito colateral era a sensação de estar sonhando, ou na beira de uma grande ansiedade. Como se eu estivesse caindo, mas aquela sensação de "estar caindo" tivesse durando minutos. Isso me fez aprender a deixar rolar, sabe? Eu sabia que era um efeito do remédio, então não podia fazer nada, senão deixar acontecer, seguir com a maré. Eu diria até que eu pude aproveitar minha ansiedade. Sentia que era o remédio que me causava essa aceleração, mas que era ao mesmo tempo ele que me possibilitava ter esse "freio".
Outro efeito ruim foi o sono. Na verdade era mais uma vontade incontrolável de bocejar em si do que sono.
Como um outro possível efeito era falta de libido, óbvio que nos primeiros dias a primeira coisa que fui testar foi a masturbação. Confesso que foi bem difícil chegar no orgasmo, parecia que eu ia criar fogo com as mãos hehe. Por outro lado, um tempo depois minha libido até melhorou, pois minha depressão me fazia não querer buscar sexo. Minha namorada me apoiou durante tudo isso e entendeu, quando conversamos, que o sexo poderia piorar, o que felizmente não ocorreu.
Depois esses efeitos melhoraram (acredito que em até 2 semanas). O de sono e bocejo passou por completo, assim como o da ansiedade. Eu sentia que o remédio era um freio para minha ansiedade. Se eu fosse um carro, era como se o remédio colocasse uma trava na velocidade máxima. Sentia ele me ajudando.
Uma coisa que demorou para melhorar foi meu fluxo intestinal. Estava acostumado a ir ao banheiro todos os dias, às vezes até duas vezes (aqui cabe ressaltar que sou homem e, quando comecei a tomar o remédio no ano passado, estava com 26 anos). O remédio me fodeu com isso. Comecei a passar uns dias sem ir ao banheiro, ou ficar totalmente desregulado. Hoje, meses depois, isso já melhorou 100%.
Umas semanas depois comecei a ter um pouco de insônia, que até hoje vem e volta, mas nada que me atrapalhe.
Mas nada disso chega perto ao que o remédio me proporcionou: a capacidade de sentir prazer banal, no dia a dia, como ao ver um pôr-do-sol, ouvir uma música foda, ou comer algo gostoso. Hoje nem parece que eu tomo remédio. Faz parte da minha rotina: eu acordo, tomo meu comprimido, meu café, e sigo com o dia. Às vezes penso que deveria ter buscado um psiquiatra antes.
Claro que o tratamento é temporário. Eu sinto um pouco de falta de poder "curtir mais minha angústia" quando não tomava remédio, pois isso me ajudava a compor música ou escrever algo. Hoje me sinto melhor sabendo que estou mais pronto para terminar o tratamento (que demora no mínimo 6 meses, se não me engano até 2 anos). Também sei que, se voltar a ficar mal daquele jeito, tenho mais ferramentas para usar ao meu favor.
Se você está mal, não tenha vergonha de procurar um psiquiatra. Não coloque barreiras que não existem. Se você estivesse com febre, você iria no médico. Pode ser que sua depressão seja simplesmente uma reação física de seu corpo, e não uma mera falta de vontade (aliás, acho que nunca é, pois vontade de estar bem todo mundo tem). Até porque, uma pessoa com a vida 100% boa pode sofrer de depressão. Como falei, pode ser por algo idiota, como uma desregulação de seu corpo, algo hormonal, etc.
Pense nos remédios como uma rodinha extra numa bicicleta: ele vai servir de apoio para seu cérebro reaprender a andar sozinho, e, então, quando estiver pronto, vai poder andar ser as rodinhas.
Uma questão é que eu dei sorte. Um dos meu melhores amigos demorou uns bons anos para encontrar o remédio certo para ele. Ele tentou de tudo, várias terapias, e finalmente achou esse remédio (que é o mesmo que o meu, por coincidência), junto uma terapeuta de confiança. O cara até conseguiu assumir ser gay e hoje está namorando e feliz em um relacionamento, o que me deixa muito feliz.
Quando compartilhei essa história com outro amigo, ele confessou que estava tomando remédios para a ansiedade. Ele disse que era incrível poder sentir o prazer do presente ao andar de ônibus.
Comecei um trabalho novo em janeiro, e venho enfrentando altos e baixos por conta do isolamento da pandemia (não estar fazendo exercício vem ferrando com meu corpo). Mas sei que hoje tenho mais recursos para me cuidar. Ainda tomo remédio e faço acompanhamento psiquiátrico, e parei com a terapia pois não queria fazer online, embora eu ache que volte logo menos e faça por videochamada mesmo.
Enfim, espero ter ajudado alguém, ou ao menos estimulado a empatia, caso conheça alguém que esteja depressivo, ou com receio de começar a tomar remédios. Sempre fui muito mente aberta com muita coisa, inclusive terapia e psiquiatria. Mas ainda dava uma julgada com quem "parecia bem" e mesmo assim estava tomando remédio. Hoje vejo isso com mais empatia, pois nem todo mundo que parece bem está de fato bem. Quem sou eu para saber o que o outro sente, quando às vezes nem eu mesmo sei dizer o que sinto...
Se você tem algum amigo com depressão, ofereça seu apoio. Não julgue. Quando puder, insista na amizade. E não vomite suas próprias histórias. Não fale que "é falta de vontade", ou que é "frescura", ou que você conhece um "óleo essencial" para depressão. Às vezes a pessoa só precisa de alguém para desabafar, ou ao menos saber que você está lá para ela (como eu estive para esse meu grande amigo). Apesar de a tristeza poder ser um sintoma da depressão, depressão não é tristeza. Depressão é o oposto de vitalidade.
Por fim, deixo como dica de leitura o que acredito ser uma espécie de "guia definitivo" para a depressão (só não digo "definitivo" pois é uma área da ciência em constante evolução, e, CARAMBA, como eu sou grato por nascer nesta nossa época e não há 50 ou 100 anos, quando havia muito mais estigma e muito menos remédios...). Trata-se do livro O Demônio do Meio-dia, de Andrew Solomon. É um documento jornalístico que conta a história, em primeira pessoa, do escritor e sua luta para entender a própria depressão e a Depressão em si como doença. Nele há muito sobre questões emocionais, como os diferentes remédios funcionam, como a depressão afeta diferentes grupos de diferentes formas, etc. Foi o que me ajudou para ganhar conhecimento e lidar melhor com esse meu amigo (e, depois, lidar comigo mesmo). Esse mesmo jornalista faz um TED Talk muito bom aqui.
Obrigado a quem teve o saco de ler até aqui. Não sei se vou responder todas mensagens, mas tentarei. Se tiverem alguma dúvida, será um prazer tentar ajudar na medida do possível. Um grande abraço e tenha uma boa noite!
Edit: o remédio é Venlafaxina.
submitted by gimme-that-potato to brasil [link] [comments]


2020.08.14 18:19 Habeenkii Por acaso do destino, minha namorada e meu melhor amigo possuem famílias problemáticas para eles.

Meus pais sempre foram ótimos comigo, me apoiavam e apoiam, e apesar de eu ter passado uma grande parte da minha vida sozinho em casa quando eu era pequeno, o que me fez ser mais carente que o normal, eles sempre me deram carinho e amor quando podiam, sem contar que isso era porque eles tinham que trabalhar, então nunca vi problema nisso, eu conseguia entender. Em suma, minha família sempre foi incrível e presente para mim, tanto meu pai quanto minha mãe e ambos sempre respeitaram minha privacidade, escolhas e etc.
No entanto, apesar de eu ter sido abençoado pela sorte de ter uma família tão boa para mim, parece que as pessoas importantes perto de mim não foram.
Conheço meu melhor amigo já faz um bom tempo e ele desde sempre se mostrou ter alguns problemas de auto-estima e psicológicos como depressão, embora não haja uma confirmação de um psicólogo sobre isso. Quando eu conheci ele não demorou muito para virarmos amigos, a gente se dava muito bem e ainda nos damos bem hoje em dia. Eu constantemente tentei ajudar ele de alguma forma com conselhos e etc, para ver se ele conseguia superar tudo que ele sentia, no entanto acho que isso foi em boa parte um erro meu, eu não sei muito bem se consegui ajudar ele com todos seus problemas ao longo dos anos, até porque eu era mais realístico do que outra coisa, jogava a verdade dura e crua na cara dele, e provavelmente isso talvez tenha piorado as coisas, então me arrependo de fazer isso.
Mas mesmo assim, eu sempre deixei claro para ele que poderia contar comigo sempre que precisasse. Eu meio que sou grato a ele também, pois considero que ele foi o meu primeiro amigo de verdade que tive, mas não vou dizer muito sobre esse tópico senão o post ficaria gigante.
O problema, como eu disse, é que ele sempre teve problemas de auto-estima, depressão, insegurança, ansiedade, entre outros. E para o azar dele, a família dele invés de ajudar, só faz piorar as coisas para ele. Tenho certeza que há muitas pessoas que tem ou tiveram uma família assim, provavelmente algumas que vão ler esse post tiveram ou tem.
Com "uma família assim" eu quero dizer uma que não constrói nenhum laço de confiança com o seu próprio filho, uma que julga ele a todo instante e que faz a ansiedade e insegurança dele crescer mais ainda, uma que não apoia nenhuma decisão do filho mesmo que ele esteja certo, uma que não dá liberdade de expressão e em uma discussão com o filho não deixa lugar nenhum de fala para poder sentir autoridade sobre a situação.
Eu poderia dizer mais exemplos de como é, mas acho que isso já é o suficiente. Em famílias assim não há laço de confiança ou de entendimento, o filho sequer tem voz ou liberdade para falar e fazer o que quer, claro que eu entendo que se for algo errado que ele estiver fazendo de fato a família tem que interferir, mas agora não dar liberdade dele fazer algo ou de ter voz em uma discussão, mesmo que esteja certo? Isso eu já considero errado.
Existe o argumento "enquanto você morar embaixo do meu teto, eu que mando em você" ou "você vive as minhas custas", mas eu considero isso simplesmente ridículo, pois esses argumentos simplesmente tratam o filho como uma propriedade dos pais, como se eles tivessem o direito de decidir seu futuro e todas suas escolhas, relações, hobbys, amigos, entre outros. Quando na verdade eles não tem esse direito, mas mesmo assim o fazem por achar que tem.
De uma coisa, eu tenho certeza. Pais assim afetam em muito o psicológico do filho, e ele nunca, nunca mesmo irá confiar neles, dependendo do caso. No caso do meu amigo, ele ter pais assim só serve para piorar ainda mais os problemas que ele tem, e o pior de tudo é que não tem nada a ser feito, se ele contestar os próprios pais eles vão começar a falar coisas como "você é um ingrato", "rebelde", e etc. Eles não vão dar chance de fala para seu filho.
E por alguma coincidência, minha namorada também tem pais assim. Mas os dela são infinitamente piores, eu detesto eles do fundo da minha alma. Não só os pais dela, mas os irmãos também. Eles sempre ficam judiando dela, tirando sarro dela quando ela se machuca, colocando ela para fazer TUDO dentro de casa e ainda ficam falando que ela é uma "vagabunda" e "inútil", que ela não faz nada, quando isso não é verdade.
Antes de ontem mesmo, eu vi ela chorar na chamada de vídeo que estávamos por culpa do desgraçado do irmão dela, que resolveu ficar tirando sarro com ela só porque ela não é boa em matemática. Na verdade, foi por um motivo ainda mais idiota. Ela ia ganhar um celular no aniversário dela, e ele por puro egoísmo não concorda com isso e por isso fica falando merda para ela, coisas como ela não merece isso e etc. Eu fiquei com uma imensa vontade de socar a cara desse desgraçado para ele calar a boca.
Mas o que me frustra é eu não poder fazer nada, nem pela minha namorada nem pelo meu melhor amigo. Não há o que eu possa fazer para mudar a família deles, tudo que eu consigo fazer é conversar com eles e consolar, conselhar, e essas coisas...Mas acho que isso não é o suficiente.
Eu escrevi isso para deixar claro o quanto famílias assim são horríveis, para vocês ter uma noção a minha namorada queria se matar no dia do aniversário dela, pois não aguentava mais. Mas eu consegui fazer ela esquecer e desistir disso, e fico feliz que consegui. Mas esse é o nível que ter uma família assim te afeta, o meu melhor amigo por exemplo já teve pensamento suicidas várias e várias vezes.
Ter uma família assim é praticamente não poder confiar em quem você mais devia confiar, sinceramente deve ser horrível isso.
submitted by Habeenkii to desabafos [link] [comments]


2020.08.06 06:08 denesfernando Sou Babaca Por Querer Que O Namorado Da Minha Amiga Não Passe Mais A Quarentena Aqui E Volte Pra Casa Dele?

Olá Luba, editores, gatas e Turma. Essa história que vou compartilhar aqui é recente, ainda estou tratando em terapia, mas ela começa um pouquinho lá atrás.
Um ""pouco"" de background para situar a todos de onde tudo isso começou.
Em 2013 comecei namorar um cara que vou chamar de Karen, por ele ser muito, mas muito CUSÃO (inclusive, ele se parece muito com você Luba e por vocês serem tão idênticos, eu passei um bom tempo sem assistir o canal, pois não conseguia te ver sem lembrar dele). Mas, enfim, em 2015 ele e o grupo da faculdade dele decidiram morar todos juntos em uma casa perto da faculdade, pois estava exaustivo para todos trabalharem em pontos distintos da cidade (São Paulo, para se alguém quiser se situar).
Então, em janeiro de 2016, eles se mudaram e eu ia para lá aos fins de semana, até que acabei me mudando para a casa em Junho do mesmo ano, no dia do meu aniversário.
Pois bem, foi uma fase horrível da minha vida por causa do meu ex, terminamos em maio de 2017 e tive que sair da casa. Esse meu ex era um abusador, um aproveitador, a pior pessoa que eu poderia ter conhecido na minha vida. Os abusos psicológicos que ele cometeu comigo, afetaram totalmente minha confiança e em como eu viria a me relacionar com outros caras, fora as crises de ansiedade que eu arrasto até hoje.
Mas então, eu fiquei amigo dos amigos dele da faculdade e em especial da Karls que virou minha melhor amiga.
Em 2017 eles terminaram a faculdade e em 2018 o contrato da casa venceu e eles finalmente poderiam se mudar, áquela altura ninguém suportava mais olhar pra cara do Karen.
Então, foi nesse momento, que a Karls e o Akarls me chamaram para vir morar com eles numa nova casa. Sem o Karen. E hoje nós três vivemos como uma família feliz com os nossos pets.
2019
Eu conheci um cara, eu vou chamar ele de Lars.
Lars e eu começamos a trocar mensagens, se conhecer, nos aproximarmos. Até então, antes dele, todos os outros caras que eu acabei ficando, não davam certo, (tem muito gay problemático nessa cidade). Mas Lars foi diferente, conforme nos conhecíamos, ele ia transpondo todas as muralhas que eu usava como defesa, pois meu maior medo seria voltar para um relacionamento abusivo, tóxico e doentio.
Com o Lars eu fui bem devagar, realmente queria conhecer ele, pra ver se o que eu estava sentindo era o certo e se ele não iria me fazer mal.
Nesse tempo conhecendo ele, eu desabafava com Karls todas as minhas inseguranças, pois ela tinha vivido todo o meu drama com o meu ex, ela sabia dos meus medos, receios, inseguranças em me relacionar com alguém e ela me dava todo o apoio, pra poder voltar a acreditar e saber que nem todo mundo é igual o Karen, que na verdade eu dei azar com o Karen, mas que não seria assim de novo.
Depois de tantos embates sobre minhas agruras eu acabei me desarmando e me permiti começar algo com o Lars.
Um mês e meio depois, finalmente decidi trazer ele em casa, para conhecer meus amigos e 😏.
Então, foi nesse fim de semana de novembro de 2019 que coisas aconteceram.
Depois de ficarmos, acabei aceitando os meus sentimentos por ele, pensei que depois de tanto tempo solteiro, passando por aventuras fracassadas com pessoas que não se encaixavam, onde a química só proporcionava uma reação inicial. Ali estava talvez o momento de poder compartilhar momentos com alguém.
Mas aquele início de sonho desmoronou muito rápido. No domingo quando ele estava pra sair para trabalhar, Lars me contou que iria para o Beto Carrero com um amigo. Fui pego de surpresa, pois ele não havia mencionado nada nas nossas conversas durante a semana.
Na época, Lars trabalhava como bartender numa cafeteria e reclamava de trabalhar muito, não ter finais de semana livres e só folgar nas segundas-feiras.
Como não tínhamos oficializado nada, nossa primeira vez foi na noite anterior e o fato de estar disposto a querer começar a construir uma relação tinha sido algo que eu havia arrazoado no meu coração, achei absurdo demais eu questionar porque ele não tinha me falado nada antes.
Tudo bem, ele iria no Beto Carrero com um amigo, logo após sair da cafeteria. Pegaria o ônibus na estação do Tietê no domingo a noite, passaria o dia no parque, já que a folga seria na segunda, e na segunda a noite ele voltaria e iria trabalhar na terça-feira de manhã. Eu, pelo menos, imaginei que seria assim.
Na segunda-feira, eu fui trabalhar normal, vi as fotos dele no Beto Carrero, os stories no Instagram aparentemente nada de estranho, mas a primeira coisa que me chamou a atenção foi o fato dele não ter postado um único story com o amigo, mas até aí, se eu encucasse com isso, seria uma atitude tóxica e eu não queria isso. Numa relação deve existir confiança.
Nós não nos falamos o dia inteiro, pois eu não iria ficar o importunando num passeio como aquele, que ele aproveitasse o máximo possível. Foi quando às 18:00 eu resolvi mandar uma mensagem para ele, já que eu estava saindo do trabalho.
A mensagem era mandando um "oi" e desejando que ele tivesse se divertido bastante e fizesse uma viagem tranquila de volta.
Foi quando ele me respondeu que não voltaria aquela noite, que ele iria para Balneário Camboriú com o amigo passear de barco. Eu fiquei completamente sem reação, foi um choque. Ele só reclamava de como o trabalho explorava ele, não era flexível e do nada, de uma viagem totalmente espontânea que aconteceu aleatoriamente pra aproveitar um dia de folga num bate e volta, surgiu uma folga no dia seguinte.
Eu não tive como não ser arrastado de volta para os tempos do Karen, onde eu fui trouxa por anos, onde ele matava aula pra transar na escada da faculdade, dizia que ficava até mais tarde no serviço pra não pegar trânsito, mas na verdade ia para dates furtivos de apps de pegação (inclusive tenho uma história ótima com relação a isso da época do Karen), enfim, meu cérebro e meu coração ligaram o sinal vermelho, as sirenes começaram a zunir no meu ouvido, a última coisa que eu queria era ser enganado como fui na minha última relação.
Voltando, Lars não falou mais nada depois disso, fui pra casa naquele dia. Na terça-feira de manhã, outro sinal de alerta, não tinha nenhuma mensagem no celular. Isso poderia ser irrelevante, se a gente não tivesse passado o último mês e meio, trocando várias mensagens e memes da hora que acordava até a hora de dormir. Me senti mal, a conversa tinha morrido da noite para o dia, fiquei angustiado, pois eu estava começando a gostar dele e aquilo mudou da noite para o dia.
Terça-feira se foi, ele em Balneário Camboriú, fotos e stories no Instagram se seguiram e nada desse amigo misterioso.
Finalmente, a noite ele estava voltando e mandou uma mensagem dizendo que estava exausto, mas estava voltando. Nesse momento, minha mente já tinha formulado mil e uma histórias, mas resolvi ser prudente, apesar da angustia que estava sentindo.
Foi difícil dormir aquela noite, na manhã seguinte, ele mandou uma mensagem dizendo que havia chegado, estava exausto, mas estava indo trabalhar.
Nossa conversa, já não era a mesma, algo tinha mudado, as palavras ou a ausência delas são um termômetro para o coração, escrever para outra pessoa é um ato de conexão e o nosso elo havia se rompido.
Foi quando resolvi confrontá-lo.
Segue abaixo a conversa no whatsapp:
[28/11 11:56] Denes: Desculpa, Lars.
[28/11 11:56] Denes: Eu não sei de fato o que aconteceu
[28/11 11:56] Lars: Pelo o que ?
[28/11 11:56] Denes: mas desde terça que eu sinto que nossa conversa morreu
[28/11 11:56] Lars: :(
[28/11 11:56] Lars: Eu que peço desculpas
[28/11 11:57] Denes: se vc puder me dar uma luz
[28/11 11:57] Lars: Questão de conversa tbm não sei ... :(
[28/11 11:58] Lars: Não quero ser cuzao contigo
[28/11 11:58] Denes: me diz o que tá acontecendo
[28/11 11:59] Lars: Gosto olhando no olho
[28/11 11:59] Lars: Gosto de vc
[28/11 11:59] Denes: talvez não haja olho no olho se eu não entender o que está acontecendo
[28/11 12:00] Denes: eu tb descobri que estou gostando de vc
[28/11 12:00] Denes: descobri de uma maneira bem ruim
[28/11 12:00] Denes: só quero que vc me diga
[28/11 12:00] Denes: sem medo
[28/11 12:02] Lars: Eu recebi uma ligação de alguém antes de viajar que me deixou balanceado
[28/11 12:02] Denes: prossiga
[28/11 12:02] Lars: Não gosto da ideia por aqui
[28/11 12:03] Lars: Mas tá bom ...
[28/11 12:03] Denes: por favor, agora que começou, não pare
[28/11 12:03] Lars: Pouco antes de conhecer vc eu tinha acabado um relacionamento ...
[28/11 12:03] Denes: hum
[28/11 12:04] Lars: E tipo ainda algo que me deixa balançado e tal ...
[28/11 12:05] Denes: entendi
[28/11 12:05] Denes: ah...
[28/11 12:05] Lars: E tipo não quero mentir pra vc
[28/11 12:05] Lars: Nem ser um cuzao contigo me entende
[28/11 12:05] Lars: Quero ser sincero sempre
[28/11 12:05] Lars: Não só com vc mas comigo mesmo
[28/11 12:06] Denes: então, o livro de Harry Potter que está com vc, foi um presente de um amigo meu que faleceu esse ano, será que posso pegar com vc na catraca amanhã da Santos Imigrantes
[28/11 12:06] Lars: Sim ... Claro ... Mas queria conversar mais com vc pessoalmente
[28/11 12:06] Lars: Se não se importar
[28/11 12:07] Lars: Tenho um presente pra vc
[28/11 12:07] Denes: eu vou me importar
[28/11 12:07] Denes: por favor, sem presentes
[28/11 12:07] Lars: Tudo bem :(
[28/11 12:09] Denes: amanhã as 8:30 te encontro na Catraca
[28/11 12:09] Lars: :( eu lhe entendo sabe ... Mas confesso que gosto de vc e queria que vc permanecesse na minha vida independente de qualquer coisa
[28/11 12:09] Denes: não será possível
[28/11 12:09] Lars: Tudo bem eu entendo vc ... :(
[28/11 12:09] Lars: Me desculpa
[28/11 12:10] Denes: te encontro amanhã na catraca sem falta
[28/11 12:21] Lars: Hj vc sai que horas do trabalho?
[28/11 12:24] Denes: Desculpa, Lars. Mas eu só pretendo te encontrar para pegar o meu livro. Não, temos nada para conversar. Você não me deve satisfações, justificativas ou esclarecimentos. Apenas o meu respeito. Mas, mesmo assim. Esse ponto final precisa ser colocado.
[28/11 12:25] Lars: Tudo bem eu entendo e respeito vc ... Falei de hj pq posso te entregar hj o livro
[28/11 12:25] Lars: Ele está comigo aqui no trabalho
[28/11 12:26] Denes: Eu saio às 18:00
[28/11 12:26] Lars: Posso te entregar hj o mesmo horário ... Na estação melhor pra vc
[28/11 12:27] Denes: Que horas na Santos Imigrantes vc vai passar por lá?
[28/11 12:27] Lars: Umas 19h a 19:30
[28/11 12:28] Lars: Mas espero a sua hora
[28/11 12:28] Denes: Okay, as 19:00 estarei lá
[28/11 12:28] Denes: Se chegar antes estarei sentado em algum dos bancos da plataforma
[28/11 12:29] Lars: Tá bom
[28/11 12:29] Lars: Sei o que vc vai falar ... Mas desculpas :(
Quando ele falou dessa ligação do ex e ficou balançado, eu senti uma enxurrada de sentimentos negativos, o tsunami de chorume que eram as mentiras do Karen voltando a tona. Todas as desculpas esfarrapadas, parecia que eu estava vivendo tudo outra vez.
Eu estava cego, na gana de não querer cometer os mesmos erros do passado, acabei sendo seco, duro e intolerante, condenando um pelos erros de outro.
Eu já tinha sentenciado dentro de mim que aquela viagem foi algo que ele tinha programado com o ex e que tinha ido com ele e que eles tinham se acertado e que ele queria me manter como step se nada desse certo. Enfim…
Nesse mesmo dia, fui buscar o meu livro (um fato curioso, esse livro que foi presente de um amigo que veio a falecer em 2019, foi um presente pra me lembrar o quanto eu sou uma pessoa corajosa, era a edição de 20 anos da Pedra Filosofal nas cores da Grifinória e dentro ele escreveu a famosa frase da Luna "As coisas que perdemos sempre acabam voltando para nós. Mas nem sempre na forma em que pensamos." https://imgur.com/a/ebJFd2U
Ironicamente, quando paro pra olhar isso em particular, penso na grande ironia de tudo.
Eu cheguei antes na estação, fiquei esperando, sentado num banco na plataforma, vendo vários trens passando, várias pessoas descendo na estação vindo depois de mais um dia de trabalho. A minha ansiedade estava a mil, eu queria chorar, estava angustiado com tudo aquilo, pior, sem entender como "tinha cometido" o mesmo erro outra vez.
Ele chegou uns 15 minutos depois, estava com o livro na mão, eu peguei o livro e então ele me estendeu os braços pedindo um abraço, fiz com ele o que eu devia ter feito com o Karen, olhei para ele com a minha pior cara de desgosto e nojo e falei "Adeus", virei as costas e deixei ele lá.
Hoje, não me orgulho do que eu fiz, sinto vergonha quando penso, mas para que vocês entendam aquele gesto, mesmo ele não sabendo, era algo traumatizante, no término com o Karen, quando coloquei minhas malas e meus livros no táxi, ele chegou até mim e na maior cara de pau, na sua maior interpretação pra burguês ver, ele me pediu um abraço e o trouxa aqui cedeu esse abraço, então ele sussurrou no meu ouvido "Sou eternamente grato por tudo o que a gente viveu e você vai sempre poder contar comigo para o que você precisar" e quando eu precisei o que eu ouvi? "Não tenho obrigação nenhuma de te ajudar."
Quando eu saí da estação, bloqueei o Lars em todas as redes sociais, Facebook, Instagram, Whatsapp e até o número dele pra ele não me mandar SMS ou ligar. Não queria nunca mais ouvir falar dele pelo resto da minha vida.
Alguns dias se passaram e a Karls me contou que Lars havia mandado mensagem para ela no Instagram dizendo que estava preocupado comigo, queria falar comigo e eu irredutível falei que nunca mais queria saber nada a respeito dele.
Então ali eu tinha colocado uma pedra em cima desse assunto, vida que segue.
Dezembro de 2019
Karls é uma garota muito linda, mas em todos esses anos de amizade ela só se envolvia com os piores caras do Tinder, uma fase da vida dela que fazemos piada, mas que se você olhar atentamente, era bem triste.
Ela tinha o sonho de conhecer um cara bacana, compartilhar momentos, viver toda aquela fantasia de namoro, dormir abraçada, assistir anime, cantar músicas da Disney e cozinhar todos os pratos possíveis de todos os programas de culinária que existem no mundo.
Depois de anos, esse cara apareceu. Vamos chamá-lo de Darls.
Darls é um cara super carismático, que faz amizade por onde ele passa, falador, contador de piada, solicito, uma pessoa que todo mundo iria adorar ter como amigo.
JANEIRO 2020
Parecia que Darls sempre esteve nas nossas vidas, Akarls e eu o recebemos de braços abertos, pois víamos o quanto ele fazia Karls feliz.
Logo ele começou me pedir dicas e mais dicas de coisas que fariam a Karls feliz e nesses 5 anos de amizade eu era a pessoa que mais sabia de tudo o que a Karls gostava.
FEVEREIRO 2020
Eles oficializaram o namoro, (meio rápido, mas…), então ela entrou numa tour para conhecer todas os amigos dele, pois ele queria apresentar a namorada para as pessoas importantes na vida dele.
Darls mora a 35km de distância, num bairro distante, 2 horas de viagem no mínimo, mas ele sempre estava vindo passar mais tempo aqui.
MARÇO 2020
Pandemia chegou, isolamento social foi instaurado, pessoas em casa. Eu sou editor de vídeo, então estou trabalhando em casa desde que esse inferno começou. E quem acabou vindo para cá, também? Exatamente, Darls.
A companhia dele era agradável, e por vermos Karls feliz, nada objetamos, aceitamos naturalmente a estadia dele aqui. Mesmo que nunca tenhamos conversado isso entre nós, foi natural olharmos para a felicidade dela.
ABRIL 2020
Um mês de quarentena, eu sou uma pessoa ansiosa. Solteiro que passou da barreira dos 30, já havia sentenciado que não conheceria ninguém e morreria só, pois já estava sem esperança de conhecer alguém em um mundo sem um vírus mortal, imagina em um mundo onde estar perto 2 metros de alguém pode ser sua sentença de morte.
Eu comecei entrar numa crise terrível, comecei trabalhar demais, a fazer 12 horas de trabalho por dia e no meu tempo vago eu comecei a assistir todos os filmes e curtas gays já foram produzidos no mundo. E nisso, fiz a burrada de assistir um filme que superestimei por anos.
Brokeback Mountain.
'O que eu fiz da minha vida?'
Eu fiquei tão mal, mas tão mal, que naquela noite eu fui dormir chorando e os dias que se seguiram eu tive tanto remorso pelo final daquele filme, que certo dia eu comecei chorar na frente da Karls e do Darls enquanto a gente almoçava.
No final de abril, meu tio implorou que eu fosse na casa dele, pois estava tendo um problema entre minha mãe e minha irmã e ele estava preocupado da minha mãe acabar se metendo em um avião e vindo pra São Paulo no meio de uma pandemia. Fui, como se eu já não estivesse colapsando, ainda tinha que resolver o problema de outras pessoas.
Naquela semana, eu assisti um vídeo, tenho 80% de certeza que foi no LubaTV os outros 20% acho que foi no canal do Henry Bugalho, que falava sobre perdão, algo do tipo "se não perdoamos, do que adianta pedirmos desculpas" e eu já estava muito reflexivo.
De noite, eu estava no apartamento do meu tio, quando recebi uma notificação de que alguém tinha me seguido no Twitter.
Abri a notificação e vi que era o Lars me seguindo quase 6 meses depois. Ele não tinha twitter e tinha criado uma conta por causa da quarentena.
Minha primeira reação foi bloquear ele, mas aí bateu aquele turbilhão de coisas acumuladas nessa quarentena. O final de Brokeback Mountain, a fala sobre perdão e um detalhe sobre o Lars que pesou muito, ele tem diabetes, acho que é um tipo raro, ele desenvolveu super novo, ele toma dois tipos de insulina, ele é grupo do risco.
Sentei no sofá e me perguntei, 'o que ele queria depois de todos esses meses? Ele não entendeu o meu "Adeus"?'
Pois, bem. Fui até o Instagram, desbloqueei ele e mandei a seguinte mensagem:
"O que você quer?"
Ele levou uma meia hora pra me responder, o 'digitando…' parecia eterno.
Resumindo, ele falou que se importava muito comigo, que eu marquei a vida dele, que nunca quis se distanciar de mim, que jamais foi a intenção me magoar com o que quer que tenha acontecido e que nunca dei a oportunidade dele se explicar.
E eu respondi, que não importava o que ele tivesse para me dizer, não ia mudar a opinião que eu tinha sobre ele.
Ledo engano, meus caros.
Fui dormir às 4 da manhã, tirei tudo de dentro de mim, tudo o que eu inventei na minha cabeça. Porque no meu relacionamento anterior eu ouvi tantas mentiras, que acabei jurando que qualquer um iria mentir para mim, era o único referencial que eu tinha.
Só para que vocês saibam, era realmente um amigo, as fotos que ele tirou junto com o amigo no Beto Carrero, foram todas no celular do amigo a folga da Terça-feira, o chefe dele estava devendo uma folga para ele e como ele não iria poder tirar essa folga a mais do que as que estavam previstas para Dezembro, o chefe deu a folga pra ele na terça para que ele aproveitasse mais um dia de viagem. E sim, o ex dele ligou, ele ficou balançado, pois eles tinham tido uma história recém terminada, mas ele me contou, primeiro porque eu insisti, mas também porque ele não queria mentir pra mim, já que eu tinha todo esse problema com mentiras, então ele queria ser honesto comigo desde o início e que nunca foi a intenção dele voltar com o ex, tanto que ele não voltou, ele queria estar comigo, e que mesmo tendo passado todo aquele tempo ele nunca tinha me esquecido e não tinha desistido de mim.
Eu falei para ele que não sabia como reagir a tudo aquilo, disse que não sabia se seria capaz de confiar nele. E que ele não tivesse esperança, mas que eu iria refletir sobre tudo aquilo.
Então eu voltei pra casa e compartilhei a história com Karls e Darls.
Karls ficou meio com o pé atrás, mas Darls me apontou os erros que eu cometi, me fez enxergar o quanto eu tinha exagerado pelo medo e desconfiança que eu tinha, que não tinha nada a ver com Lars e minha ficha caiu.
Agora, tudo o que me restava era o meu orgulho, eu precisava passar por cima disso.
Voltei a conversar com Lars, aos poucos, foi difícil no início, mas ele foi muito tolerante, eu expliquei que não estava sendo fácil voltar a conversar com ele, mas que compreendi que muito daquela situação era culpa minha.
Ele começou a me mandar mensagens de manhã e a noite, de bom dia e boa noite e esporadicamente algum meme. Foram duas semanas conversando quando houve a necessidade da gente se ver. Eu não sabia como iria reagir.
Sim, ele viria aqui em casa no meio de uma quarentena, mas antes que cresça os julgamentos, moramos próximo um do outro, ele viria a pé, sem pegar nenhuma condução e num horário de pouco fluxo.
MAIO 2020
Então comuniquei que ele viria aqui em casa para Karls, Akarls e Darls. Aparentemente, achei que todos tinham recebido a notícia de bom grado.
Ele veio, a primeira coisa que ele fez foi ir para o banheiro tomar banho, com Covid não se brinca. Depois, sentamos e conversamos, e mais uma vez, eu falei tudo de novo, dessa vez olhando no olho, colocando tudo a limpo, uma conversa franca, contei de todas as impressões que eu tive de tudo o que aconteceu, como a narrativa se construiu na minha cabeça e porque agi da maneira que agi.
Em contra partida, ele disse que estava tudo bem, disse que ficou muito chateado, mas os amigos dele conversaram com ele dizendo que tinha um motivo para eu agir como eu tinha agido. Ele me falou que nunca me esqueceu e queria ter uma oportunidade de conversar comigo e esclarecer as coisas, pois sabia que tudo tinha sido um grande mal entendido. Ele falou que mandou várias mensagens para a Karls, mas não obteve resposta. E quando ele me mandou o convite no Twitter, ele disse que seria a sua última tentativa de se aproximar de mim, se não desse certo, ele mesmo desistiria de tudo.
Ele passou três dias aqui em casa, eu não me abri tanto com ele com relação a isso, mas eu senti muito remorso por como as coisas aconteceram por minha causa.
Outra coisa, lembra na mensagem, quando ele falou que tinha um presente para me dar e eu falei que não queria? Ele trouxe o presente, ele guardou o presente todo esse tempo e disse que toda vez que via o presente, ele lembrava de tudo o que a gente viveu e a coisa que ele mais queria era me dar esse presente, que ironicamente ele comprou na viagem para o Beto Carrero.
Era um funko do Harry Potter, já que eu amo muito Harry Potter. (Não, não sou transfóbico, eu amo Harry Potter desde 2000). http://imgur.com/gallery/cah0Ry7
Ele voltou pra casa dele. Continuamos a nos falar, reatar laços, ter essa troca.
Compartilhei minhas impressões com Karls e Darls, eu estava relutante, desacreditado. As pessoas subestimam relacionamentos abusivos, mas a gente carrega coisas por anos, os estragos são terríveis, estava eu provavelmente estragando uma oportunidade de ser feliz por medo de ser feliz.
As coisas foram devagar, estávamos conversando de nossas rotinas na quarentena, ele o quanto sentia falta do trabalho e não aguentava mais assistir séries e eu o quanto estava trabalhando e engordando, já que editor de vídeo trabalha em casa, praticamos isolamento social antes disso "estar na moda" (✌️ salve editores do canal, eu juro que tô escrevendo essa história que já passa de 4 mil palavras, pensando se realmente o Luba lerá essa história na Turma-Feira, fico imaginando no trabalhão que vocês vão ter pra editar, se eu puder pedir, posta a Timeline pra eu ver como ficou no final, curto muito timelines [Sim, pra quem não entende, isso é meio creep]).
JUNHO 2020
Lars voltou, veio para estar comigo no meu aniversário, inclusive ele me presenteou com Find Me do André Aciman, ele disse que queria me dar a muito tempo, pois em novembro do ano passado eu estava lendo Call me by your name e eu estava namorando pra comprar o livro quando fosse lançado, mas não deu nem tempo dele poder comprar na época.
No meu aniversário, resolvi cozinhar para comemorar, fazer escondidinho de frango. Eu estava de folga e queria fazer algo especial para Karls, Darls, Akarls e Lars. Eu passei a tarde e começo da noite cozinhando e Lars me ajudando.
Então, aconteceu o estopim de todo o caos.
Karls e Darls desceram e viram que o escondidinho não estava pronta ainda, ela fechou a cara e disse "Nossa, ainda não está pronto?". Depois eles fizeram um sanduíche e comeram e subiram, bastou aquilo pra me entristecer, até entendo que ela poderia estar com fome, mas ela bater porta de armário e a porta da geladeira acabou todo o meu ânimo, me senti super mal.
Comi aquele escondidinho triste, o clima na mesa estava tenso e na boa o que era pra ser uma comemoração no que eu acreditava ser entre família, foi a porcaria de um jantar de aniversário que eu perdi tempo fazendo.
Lars voltou pra casa dele, continuamos nos falando e estreitando os laços, aproveitando a companhia um do outro, e finalmente no meio de toda essa situação de merda que estamos vivendo no planeta, senti uma esperança de que talvez tudo daria certo, pelo menos uma vez.
Mais uma vez, ele veio passar o fim de semana aqui em casa, e foi divertido, assistimos filme, contamos piadas e o melhor, eu estava podendo dormir abraçado com ele, por a cabeça no travesseiro e não me sentir só.
JULHO 2020
O mês do caos, eu odeio Julho, por tantos motivos, sério. Eu tenho inúmeras histórias de desgraças nesse mês que PQP (Gif da Xuxa).
Lars me mandou mensagem dizendo que ele teve uma briga terrível com o sobrinho dele, na briga eles só faltaram sair na porrada, ele falou que estava mal por estar na casa da irmã dele e por toda essa indisposição com o sobrinho que tem 18 anos e é um completo folgado. Ele disse que iria procurar um lugar pra ficar, mas até lá, ele perguntou se poderia ficar aqui até encontrar esse lugar.
E como eu já fui colocado pra fora de casa pelo meu tio e me vi sozinho, eu sei o quanto é importante ter alguém pra estender uma mão amiga nessa hora.
Eu respondi que sim, mas que ia comunicar o Karls e o Akarls. Expliquei a situação Lars e eles falaram que tudo bem.
A Karls começou a fazer um freela permanente em um grande estúdio aqui de SP, então ela já não estava ficando em casa e quando estava, ficava a maior parte do tempo com o Darls, que ficou aqui em casa, mesmo ela trabalhando regularmente, já que as coisas estão flexibilizadas por aqui.
A princípio, Lars ficaria aqui até dia 10, ele tinha acertado de ir morar com um pessoal que ele achou num grupo do Facebook, mas o lugar onde esse pessoal ia morar não deu certo, pelo o que ele me contou, foi lance com a Porto Seguro, ele ficou decepcionado, porque os meninos eram legais. Então, ele voltou para a busca de encontrar um lugar pra ficar, eu inocente disse que ele poderia ficar o tempo que precisasse.
Interiormente, eu queria me redimir por toda a injustiça que foi o nosso início, queria fazer certo dessa vez, pois ele estava sendo bom pra mim e eu nunca tinha tido isso, esse convívio.
Enquanto ele estava aqui, comecei a ter companhia para o almoço, passei a comer direito, já que ele é obrigado a comer certo por causa da diabetes, eu estava até me alimentando nos horários certos. As noites assistíamos séries abraçados, até a hora de dormir. Parecia um oasis no meio de todo esse inferno que estamos vivendo, por um único instante eu esqueci de tudo de ruim.
Nesse período, ele estava procurando vários quartos, mas só encontrava cativeiros sendo alugados por mercenários.
Conforme o mês ia passando, Karls estava bem estressada com tudo e quando estava todo mundo na cozinha, ela parecia evitar querer falar com ele. No início, eu pensei que fosse TPM ou alguma coisa em particular dela com Darls.
Mas eu tive certeza que era alguma coisa com o Lars, no dia que estávamos jantando e ela veio informar que o botijão de gás tinha acabado e ela tinha comprado um novo, mas ela insinuou que estávamos cozinhando demais. Eu fiquei, sem reação, pois não esperava por aquilo, como eu falei, ela e o Darls estavam fazendo todas as receitas que existiam na internet, como que o Lars 10 dia aqui era a causa do botijão ter acabado?
Então aquilo começou a ficar espinhoso e o meu erro foi não ter confrontado. Eu comecei a me sentir acuado com o Lars e não sabia o que fazer, ele já estava numa puta situação frágil por ter saído da casa da irmã por indisposição com o sobrinho e a coisa que eu mais queria era que ele se sentisse confortável na minha própria casa.
No meio de tudo isso, ele voltou a trabalhar e eu passei a acordar cedo junto com ele, pra tomar café e abrir o portão pra ele poder sair, num desses dias, eu levantei e fui no banheiro e enquanto eu usava, a Karls bateu na porta perguntando quem é que estava lá dentro de uma maneira meio ríspida, no caso era eu, mas o Lars viu a situação toda, ele não me falou, mas eu reparei que ele parou de tomar banho de manhã antes do trabalho. Dizia ele que o banho da noite era suficiente.
Depois, ele parou de tomar café da manhã, disse que tomaria café na cafeteria que ele trabalha.
A próxima coisa que aconteceu foi um dia que eu estava na cozinha e fui informado que Karls e Akarls decidiram que não iríamos mais fazer as compras de mercado juntos. E que só manteríamos os produtos de limpeza e higiene e que o resto era cada um por si.
Confesso, que na hora não compreendi o que estava acontecendo, eu estava muito desligado, na verdade não acreditava que os meus amigos estavam me excluindo por causa do Lars, eu estava sendo ingênuo, pois não imaginaria que aquilo estava acontecendo.
No meio desse caos todo, Lars, virou pra mim e disse que a irmã dele pediu que ele fosse na casa dela. Então ele iria direto do trabalho e dormiria lá no sábado para o domingo, já que estaria de folga e voltaria pra cá no domingo a noite.
Só que ele não voltou, ele disse que a irmã dele pediu para que ele dormisse lá mais uma noite. Pensei, okay, ele vem então amanhã direto do trabalho pra cá, mas aí ele não veio na segunda, foi quando o peso de tudo bateu.
A essa altura eu já estava angustiado com tudo aquilo e direcionei minha frustração para o lado errado, em vez de confrontar quem estava causando toda essa situação insatistória, eu cobrei dele, porque ele não estava aqui. Perguntei, porque ele não queria estar mais aqui. Ele falou que queria. Então, eu perguntei porque o domingo, virou segunda e agora a segunda virou terça? Ele hesitou, aí eu perguntei se era por causa da Karls e ele disse que só não queria incomodar ninguém.
Eu fiquei mal, por ele se sentir mais incomodado na minha casa do que na casa da irmã dele com o sobrinho folgado que estava fazendo da vida dele um inferno.
Fiquei desapontado, ele veio na quarta, conversei com ele, disse que iria conversar com a Karls sobre toda essa situação. Mas já era tarde.
Era a última semana de Julho, e antes mesmo que eu pudesse conversar com a Karls, Akarls chegou dizendo que não dava mais para dividirmos a conta de água como estávamos fazendo, por 3, teríamos que dividir por 5, já que a conta ficou mais cara.
Na sexta-feira daquela semana, Lars encontrou um quarto numa casa que ele meio que alugou as pressas e ele se mudaria na primeira segunda de agosto. Quando eu pude confrontar Karls, no sábado, sobre tudo aquilo, já era tarde. Falei que fiquei chateado deles quererem repartir a conta da casa por 5 com o Lars pelo mês que ele passou aqui, mas isso nunca foi nem cogitado nos 5 meses do Darls aqui. Falei que fiquei decepcionado por ela não ser capaz de enxergar a minha felicidade. Por não ser capaz de ver o quanto eu estava feliz, como eu enxerguei a felicidade dela com o Darls e o recebemos de bom grado dentro de casa por causa da felicidade dela. Disse que foi muito cômodo pra ela ter alguém pra poder dormir junto, assistir coisas juntos, ter os momentos a dois e quando eu pude ter o mesmo, ela não olhou para mim com os mesmos olhos.
Enfim, Lars se mudou, tomei esse tempo que poderia estar assistindo uma série com ele para escrever tudo isso. Angustiado e decepcionado. Darls não tem culpa de nada do que está acontecendo, mas agora acho completamente injusto ele estar aqui e o Lars não estar, não sei o que fazer, minha vontade é de falar, "acabou a quarentena para os dois, pode voltar para sua casa". Me sinto injustiçado e triste por alguém que eu amo tanto, não ter sido capaz de enxergar que eu estava feliz. É isso, estou esperando a próxima sessão da minha terapia e Karls e Darls estão lá no quarto dela e eu estou só.
E para finalizar, essa foi minha conversa agora a pouco com o Lars.
Lars https://imgur.com/gallery/PRrxEI6
submitted by denesfernando to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.31 04:48 anonima-sua-amiga A declaração de um melhor amigo

Olá Luba, editores, papelões, gatas e turma que está a ver (nem sei se essa história vai aparecer em vídeo mas oi mesmo assim).
Neste post eu vou contar uma história recente que aconteceu comigo, sobre o meu melhor amigo incluindo declarações.

Título: (use da sua criatividade e crie um título aqui depois de ver a história, já que não tenho tanta criatividade para criar títulos assim)
Eu nunca me apaixonei e meio que já deixei isso claro para todas as pessoas que conheço (apesar de só ter tido umas paixõezinhas momentâneas, eu realmente nunca me apaixonei) , e, meu melhor amigo já gostou de mim a um tempo atrás, e eu rejeitei ele porque eu não gostava dele, mas depois desse acontecimento nós viramos melhores amigos e somos até hoje (também não me pergunte, só aconteceu), até aí tudo bem. No final do ano passado, eu comecei a ter uma paixão em um menino da minha turma, ele não era lá o cara mais bonito, mas tinha um bom senso de humor, gostava das coisas que gosto e tals. Antes de eu descobrir dessa paixão, ele já tinha começado a se aproximar de mim e falava que gostava de uma garota, e eu como uma bela atriz que sou, me fazia de desentendida sobre quem era (era eukkkj). Perto de dezembro ele não se aguentou mais e se declarou e a gente começou a namorar. Chegou fevereiro (desse ano) e eu já não sentia mais aquela sensação igual sentia no início do relacionamento (já que como ressaltei, era só uma paixão momentânea), e sim sentia que ele era um bom amigo pra mim. Eu falei isso pro meu melhor amigo, e ele falou que também queria terminar com a namorada dele (sim, ele começou a namorar um pouco antes de mim), já que também não gostava mais dela. Esse meu melhor amigo era amigo do meu namorado, e eles tinham bastante intimidade; até aí tudo normal, só que eu achei bem estranho o fato dele - melhor amigo -, começar a falar bem mal do meu namorado pra mim, coisas do tipo: "ele só quer usar seu corpo, ele nunca gostou de você." e eu fiquei bem incomodada mas resolvi não deixar aparente. Uma ou duas semanas depois eu terminei com meu namorado porque já não dava mais pra iludir o coitado, e foi aí que a minha relação com meu melhor amigo foi só a ladeira abaixo. Ele começou a jogar cantadas no ar, e fazer pressão psicológica para eu ficar mais perto e dar carinho pra ele (coisa que sempre ocorreu na nossa relação), e uma coisa que vale a ressaltar é que literalmente TODO MUNDO, sem exceção, achava que nós eramos namorados (até a diretora, professores, coodernadoras e parentes), e quando nós contávamos que não eramos, elas ficavam mais ou menos com essa cara: :o. E um detalhe bem importante é que ele sempre hesitava ao falar que nós só somos melhores amigos. Antes da quarentena começar, eu estava indo para a saída do colégio quando umas pessoas da minha turma haviam me parado e me puxado para a praça que havia na rua de trás da escola, lá estava meu melhor amigo com flores e totalmente envergonhado. Me empurraram para perto dele e quando estava lá ele se declarou; falou que por mais que ele tenha se apaixonado por mim e foi rejeitado, disse que foi mais forte que ele, também falou coisas fofas e mais algumas coisas. E eu estava em choque, eu não sentia nada por ele e ele sabia disso, eu só o considerava meu melhor amigo e nada mais, nada menos. Eu não sei se foi Deus me ajudando ou não sei, mas eu fui salva quando meu telefone tocou e era a minha mãe me falando que era pra eu voltar urgentemente para casa, já que já havia passado do horário de eu voltar e que ela estava bastante preocupada. Falei para meu amigo que tinha que voltar pra casa e fui correndo pra lá. Por mais que eu quisesse falar pra ele que não gostava dele na hora, eu fiquei meio mal porque ele sofre com depressão e que as coisas não estavam bem na casa dele, então eu não falei na hora. Quando chegou no sábado (dia seguinte), recebemos um comunicado da escola avisando que entraríamos em quarentena, e que não voltaríamos para a escola na semana seguinte até ainda não sabemos hoje, e eu até hoje não respondi meu melhor amigo e nós não somos mais tão melhores amigos assim.

Eu sei que não foi uma história muito boa, mas eu me senti confortável e quis contar. Espero que tenham conseguido criar um título e foi isso Lubixco >4.
submitted by anonima-sua-amiga to TurmaFeira [link] [comments]


2020.07.28 05:48 leepz2019 Um "amor" que eu não entendi

Olá me chamo L. (H.28) e venho buscar opiniões pra poder entender oque está acontecendo. Há 4 anos atrás conheci uma moça denominada D. Moça bonita e jovem 15 anos, só queria curtir e zoar a vida, quando eu a conheci foi em casa, naquela época consumimos maconha e vivíamos chapados, ninguém queria nada com nada, eu recém terminado e ela também. Nos envolvemos e aconteceu, a gente ficou e deixamos claro que não queríamos nós apegar tanto, porém não foi isso que aconteceu. Porém eu vinha passando por problemas devido ao meu término recente e vi que estava ali só por estar mesmo. Comecei a pensar e fui me afundando numa depressão profunda e amarga, porém não quis demonstrar isso, eu gostava muito dela e sabia que na idade dela não tinha porque envolver-la em algo desse tipo, afinal queríamos curtir. Passando um tempo minha mãe sabendo da minha situação me chamou pra ir morar com ela no nordeste, sem chão e sem nada resolvi ir sem hesitar. Expliquei para a D. que teria que ir embora pois não tinha mesmo condições de me manter nas condições emocionais que eu estava. Ela entendeu e compreendeu, sempre fomos muito sinceros um com o outro. Fui embora de coração partido por deixar a cidade e pessoas muito importantes pra mim pra trás. Chegando lá não consegui me adaptar e cai em depressão profunda, o único motivo pra eu sair da cama era comer e fumar cannabis. Passado um tempo comecei a me sentir mais disposto, saia pra passear beira mar, dar uns pegas bem assim dizer, uma euforia total. Cheguei a mandar mensagem pra D. Já que tinha me afastado por conta da depressão, porém ela tinha voltado com o ex, segui em frente afinal oque mais me importava era se ela estava feliz ou não. Passado uns 2 meses entrei em uma crise psicótica devido ao uso de cannabis. Passei por avaliação psicológica e fui encaminhado pra uma clínica. Foram os piores dias da minha vida, porém aprendi muita coisa ali. Eu já não queria mais morar lá no nordeste então saindo da internação resolvi fazer uso de drogas denovo sabendo que assim minha mãe me mandaria de volta pra minha cidade aqui no sudeste. Voltei e continuei a usar contrariando todo o tratamento da doença (esquizofrenia) uma simples tendência nada que me tornasse incapacitado de lidar com a sociedade. Certas vezes cheguei a sair e esbarrar com ela pelas ruas, cruzamos olhares mais ela ainda estava com ele e eu pensava que ela estava feliz e não queria estragar isso. Passado um tempo me atacou outra crise e resumindo segui pra uma internação mais severa agora aqui no sudeste e parei com o uso de drogas pra não atacar crise de novo. Fiquei um ano focado em trabalhar e cuidar de mim se manter relação amorosa com ninguém, isso foi ano passado. Um amigo em comum que namora uma amiga dela me disse que esses dias elas estavam conversando sobre mim, que ela aparentemente estava tendo um mal relacionamento com o namorado dela e disse que ela nunca me esqueceu e que gostava de mim depois de todo aquele tempo. O amigo me disse pra mandar mensagem pra ela, passado alguns dias eu criei coragem e mandei um oi pra ela no wpp. Sem resposta eu pensei, ela deve estar se acertando com ele, melhor eu deixar quieto. Passado mais alguns dias respondi um storie do instagram, não passou muito ela me respondeu com um emoji, logo voltamos a nos falar cada vez mais e mais. Perguntei se ela tinha terminado e ela disse que sim, antes de agente voltar a se falar ainda. Numa sexta feira tomando uma cerveja ela me disse que ia dar com o irmão, eu sem muito o que fazer chamei ela pra tomar uma em casa onde nos conhecemos, e ela aceitou e veio pra minha casa, já com a intenção de ficarmos, pois havíamos conversado por mensagem. O reencontro foi algo muito especial pra mim, algo que eu não consigo explicar. Ela passava quase a semana em casa, e quando ia pra casa dela trocava-mos mensagem do amanhecer ao anoitecer, eu achava me sentia muito pressionado mas sentia que ela precisava disso pois ela havia mencionado que também tinha parado de usar drogas que ocasionaram em crises de Pânico ou ansiedade não sabemos ao certo pois ela não quis ir ao médico saber sobre. Ela vinha tendo crises com certa frequência e eu sempre ajudei como pude, quando estava longe eu tentava distrair-la, quando perto abraçava, conversava, contava algo engraçado até passar tudo. Com um mês pedi ela em namoro durante uma festa que fazíamos em casa, ela aceitou, ficou emocionada ao meu ver, pois havia relatado que ninguém nunca tinha feito aquilo com ela, pusemos as alianças e comemoramos aquele dia. Ela passava muito tempo em casa e eu e meu irmão estávamos desempregados no momento, logo conversamos que ela vinha um dia da semana pra casa e nos fins de semana pra não pesar pra ninguém como havia combinado com meu irmão, conversei com ela e foi sem problema mas sempre ela inventava algo como está tarde ou vai chover ou que se sentia bem em casa comigo, pois o pessoal de casa sempre gostou dela e tratou ela super bem, entao eu ficava sem jeito de pedir pra ela ir pra casa dela. Mas sempre expliquei pra ela que quando eu pudesse eu traria ela pra morar comigo aqui, ela sempre ajudou como podia, não tinha dinheiro pois não trabalhava e eu ainda estava sem serviço pois nosso negócio estava parado por conta da troca de estação. Passando algum tempo realizamos a venda de um imóvel rural, recebi um bom valor da minha parte e sempre combinamos que quando o negócio voltasse a rodar iríamos trabalhar pra fazer esse dinheiro render então decidi pegar o resto das coisas dela , até isso acontecer aproveitamos muito, bebemos muito e curtimos muito, sempre comprei coisas pra comer sem necessidade, porém comprei muita coisa necessária também como roupas pra nós dois, comprei maquiagem pra ela, escova progressiva pro cabelo, trocamos de celular, comemoramos aniversário fomos em festas antes dessa pandemia é claro, aos pouco vi ela ficar cada vez mais linda de que quando a conheci. No caminho dessa curtição sempre reparei nas atitudes dela comigo, principalmente quando bebia ela me desagradava com certas atitudes, eu ficava extremamente magoado com aquilo e sempre me abri com ela e expliquei que aquilo me magoava muito. Coisas como, você tá parecendo meu ex, amigos que dava em cima dela eram melhores que eu, ou em certa conversa expliquei pra ela que ela me devia respeito, pois sempre respeitei ela e fiz o que ela queria, ela nunca teve quem fizesse essas coisas por ela, então eu fiz tudo na melhor intenção e felicidade por fazer ela feliz, ela me disse que não tinha por que me respeitar. Nós não éramos mais namorado, ela já estava morando comigo há mais de 4 meses, éramos praticamente marido e mulher, claro que tinha que ter respeito um pelo outro poxa. Sempre tivemos biometria do celular um do outro como sinal de confiança mas nunca olhei seu celular, uma vez ou outra só quando queria saber oque tanto fazia ali, e ela fazia também quando eu dormia eu acho, pois não via ela mexendo, até aí normal, apesar dos apesares sempre nos demos muito bem e eu achava que éramos felizes. Mas de nesses últimos 2 meses, reparei que ela já não se divertia muito diretamente comigo, só quando não tinha mais ninguém mesmo, se tivesse algum parente dela ou meu bebendo com a gente ela era totalmente radiante e feliz. Se eu for parar pra contar tudo que eu reparei com certeza vai ficar muito maior esse texto.. Continuando, mais precisamente a umas 3 semanas fomos a um aniversário do cunhado dela que eu sempre vou considerar como se fosse da minha família, inclusive sou muito grato a ela por ter conhecido ele e também a minha cunhada que é namorada dele e irmã da D. Enfim fomos a festa e chegando lá estava a família do aniversariante a mãe e os irmãos que eu conhecia aliás, tem um deles especificamente denominado J. Que ela sempre me falou mal, dizia que quando ele estava com a namorada ele era c..são e dava ânsia cada vez que ouvia o nome dele, porem recentemente a parceira dele largou dele e foi embora do estado. Até aí tudo bem, ele foi super simpático comigo, porém notei ela muito simpática com ele. Naquela noite fiquei assando carne na garagem em baixo onde se encontrava a maioria do pessoal, e ela distante de mim, direto lá em cima conversando com os irmãos do cunhado e nada de me dar atenção, percebi mas nem falei nada pra não ficar um clima chato na festa e nem começar uma briga com ela. Festa acabando chamei ela pra ir embora que a irmã dela ia levar a gente, ela estava jogando futebol no game com os irmãos do cunhado dela, e não me deu ouvidos direito, disse que estava vendo alguém jogar, eu falei vamo que o carro tá ligado já, ela disse que já ia, desci e falei pra irmã dela chamar que ela não queria vir, a irmã subiu, logo ela desceu, ao sair do portão torceu o pé, estava bem embriagada, todos estávamos, durante o caminho veio dormindo e chegou em casa subiu as escada deitou na nossa cama e logo adormeceu. No domingo ela acordou com o pé super inchado me chamou e eu perguntei se ela queria ir ao hospital ela disse que não, depois disso no meio do dia meu sogro liga pra ela perguntando se não queria ir na casa dele, disse que era melhor não ir por casa do pé, ela não gostou então fomos mesmo assim, bebemos rimos muito aquele dia, tudo normal, chegando em casa cuidei dela devido a pé e ficamos de boa, estava tudo normal aparentemente, na segunda ela ficou o dia inteiro no quarto devido ao pé inchado, na terça disse que iria na irmã dela e que a mãe ia lá e queria passar o dia lá, normal pra mim, antes de sair meu irmão havia pedido pra ela separar algumas peças que foram vendidas, ela disse que faria assim que chegasse. Na sexta feira antes disso meu avô havia sofrido uma queda e bateu a cabeça forte, no sábado do aniversário ele havia passado mal da pressão e ido ao hospital, desde então eu já estava aflito com essa situação e ela nem pra perceber, foi mesmo assim pra casa da irmã, no meio do dia me manda uma mensagem dizendo que o pé inchou, perguntei pra onde tinha andado ela disse que tinha ido ao mercado de apé, já fiquei meio irritado, pois há algum tempo ela já não ajudava nas tarefas de casa direito, coisa que sempre fiz independente de estar trabalhando ou não, paras as obrigações fazia corpo mole, pra se divertir era a primeira a agitar, blz. Me mandou uma foto do pé inchado, logo em seguida falei "quero ver essa disposição aqui em casa" e mandei uma palminha sobre a foto. Meu avô havia ido ao médico e eu estava extremamente preocupado. Não conversamos o resto do dia, mais ao anoitecer ela chega em casa me dizendo que tinha que voltar lá na irmã pra cortar a franja, só olhei e não respondi, por tamanha indignação com as preocupações minhas comparadas com as dela, que já não se importava muito com o que eu sentia e afins. Depois daquele dia ela se fechou e não saia do quarto nem pra comer, e direto eu vinha ver como ela estava, quando ela não estava vendo algo no celular estava jogando com o J. quem ela sempre falou mal, e estava rindo com o cara, toda hora conversando, e comigo nada de conversa, ia dormir tarde conversando no wpp e jogando, rindo com os outros e eu nada, fui ficando extremamente magoado e nervoso com isso tudo, cheguei a ter batedeira e tremedeira de nervoso, sensação de desmaio, fraqueza, decidi então ocupar a cabeça com serviço, enquanto ela ficava no quarto isolada falando só com quem ela queria eu me distraia com outras coisas. Na sexta feira resolvi puxar assunto com ela no wpp, já que ela não saia de lá, logo ela me respondeu e conversamos, disse a ela que não dava pra continuar desse jeito e ela concordou, eu também disse que desconfiava que havia algo errado ( mais uma coisa de intuição ou pressentimento não sei explicar) , ela me disse que eu tava viajando já, um pouco também é pelo fato de ela colocar o celular debaixo do travesseiro antes de dormir, coisa que nunca aconteceu e eu achei estranho mas nem falei sobre isso, durante a conversa me disse que tinha uma bagunça dentro dela que a vida dela era um caos e não queria me envolver nisso tudo, que cansou de fingir que tava bem e precisava pensar na vida, que tinha que ficar um tempo sozinha pra ver oque ela tava fazendo da vida dela????? Como assim? Depois de tudo que passamos que "conquistamos" , tudo que curtiu , dizia que me amava e eu também dizia, aliás ainda amo, cadê aquele amor todo que tinha me dito que tinha? Que nunca me esqueceu? Que eu era a melhor coisa que tinha acontecido na vida dela? Que eu era o homem que ela pediu pra Deus? Que eu ninguém tratou ela como eu tratei? Passou mais um dia, enfim logo ela mudou de assunto e desceu ajudar minha cunhada com umas coisas de casa, foi até mim, disse que me amava, me deu um beijo, e disse que havia melhorado um pouco, mais a tarde eu ainda trabalhando perguntei a ela, e aí tá de boa? Ela me respondeu.. Sinceramente não tô não.. Disse a ela que a hora que eu subisse conversaria Ela perguntou se podia chorar, pois estava com uma vontade gritante fazia tempo Disse que sim, que as vezes tudo que precisa é desabafar e fazer isso mesmo Eu subi, cheguei no quarto e liguei a TV e coloquei algo pra tocar num volume mais ou menos, abracei ela bem forte deitado na cama, e senti ela chorando bem baixinho pra não perceber, ali eu me senti muito mal mas muito mesmo, porém a gente havia conversado e ela me disse que não foi nada que eu tivesse feito ou falado pra ela, do contrário, era coisa dela e ela não queria me envolver, enfim ela terminou de chorar veio até mim e nos beijamos intensamente, sentou no meu colo e continuou me beijando, cheguei a pensar que transariamos. Ela saiu de cima e estávamos conversando sobre nada específico que envolvesse nossos sentimentos, ela me perguntou se eu tinha entrado no jogo que sempre jogamos juntos pra coletar recompensas eu disse que não e pedi pra ela pegar meu celular pra eu poder fazer isso, entrei lá e logo o J. estava online e me chamou pra jogar, joguei com ele na boa pq já tinha combinado, e perguntei a ela se ela queria jogar, sem hesitar ela entrou com a gente, jogamos até altas horas e foi bem divertido. No dia seguinte estávamos conversando normal e tudo até que um amigo em comum avisou que teria um churrasco de aniversário na casa dele a noite e teria chamado também a irmã dela e o cunhado, logo encaminhei pra ela e ela disse que tinha combinado almoço na casa da mãe do cunhado dela onde reside o J., falei mais eu nem sabia que se tinha combinado isso, e outra dava pra ficar pra outro dia, já percebi que ela não gostou e parou de falar comigo, subi no quarto pra trazer comida pra ela pois ela não havia saído do quarto, cheguei ainda amoroso e disse comprei algo pra você comer, ela disse que não tava com fome e não olhou na minha cara, pensei poxa denovo isso..algum tempo depois entrei no quarto ela rindo e jogando denovo com o mesmo cara, enquanto eu resolvia as coisas pro aniversário e trabalhava. Pouco antes de me arrumar entrei no quarto a mesma situação, não me senti mal exatamente por ela estar jogando e rindo com ele, fiquei meio chateado por que ela me ignorava. Enfim varou a tarde jogando e tive que pedir pra ela se arrumar se não nós atrasariamos, fez cara e se arrumou, e seguiu seca e meio calada igual a semana inteira, fomos para a festa.. Chegando lá se divertiu e tirou foto com todo mundo menos comigo..depois de um tempo ela me disse que estava passando mal e queria ir embora, trouxe ela em casa que é perto e pedi pra ela comer algo quando chegasse pra não acordar passando mal com dor de cabeça Ali eu tomei a decisão de fazer como se fosse um dia em que eu pudesse extravasar, Bebi como se não houvesse o amanhã, fui até 10 horas da manhã bebendo.. chorei muito desabafei muito com a minha cunhada que sempre foi parceira e amiga em tudo, inclusive da D. Subi e descansei, não vi ela acordar e quando acordei ela estava no banheiro, desci e continuei bebendo e pensando em tudo. Fiquei o dia sem inteiro sem entrar no quarto..quando entro me deparo com ela mais uma vez jogando e rindo com o cara, depois disso comecei a tremer e sentir batedeira denovo. Conversei com alguém e fui tomar um banho pra acalmar. Funcionou, entrei no quarto e acho quel ela percebeu que eu saí nervoso logo ela saiu do jogo. Na segunda feira ela ia repetir o mesmo esquema da semana passada e ia me ignorar..passei o dia inteiro pensado sobre o que fazer e como fazer e decidi subir pra conversar. Cheguei no quarto ela estava com a toalha ao lado..perguntei se ela iria se banhar ela seca me disse "vou"... Disse que a hora que ela voltasse precisaríamos conversar.. Ela voltou do banho e sentou na cama e disse.. Vai solta a letra.. Já rebati..é assim mesmo que você fala? Tem certeza que quer começar uma conversa assim? Ela disse não,, foi mal diz aí oque se quer Perguntei eai? As coisas vai ficar assim mesmo? Se não quer falar comigo, só ri e conversa normal com os outros? Ela disse eu não tô falando com ninguém 🙄 Já parei a conversa e falei ... Ó assim não dá nao...faz um favor e só arruma outro lugar pra você ficar e pode ir embora.. Sem hesitar ela disse hoje mesmo eu faço isso! Me doeu muito ter que dizer aquilo.. Mas para ela foi como se já tivesse esperando.. Então me dirigi a porta e disse, me faz um último favor? Ela disse hum? Falei.. Isso que você fez comigo, não faz com o próximo não.. é feio e é muito errado... Ela balançou a cabeça e disse... Tá bom Desci e fiquei inquieto lá em baixo, minha vontade era subir e falar tudo que estava e estou sentindo agora.. Ela me pediu pra ajudar a encontrar as chaves da sua casa, subi e quando abri a porta ela estava sentada chorando muito...aquilo me partiu o coração, mesmo assim encontrei as chaves e entreguei a ela.. Sentei ao lado dela quieto e esperei pela carona dela.. Pouco antes de ir me pediu um abraço. Nós abraçamos e nos beijamos uma última vez e enfim ela foi embora.. No dia seguinte atualizou seu status pra solteira nas redes sociais e posta indiretas como coisas do tipo a dar entender que já está em outra e isso tem me magoado profundamente.. Eu tenho tanto ainda pra falar..mas estou digitando faz horas.. Fica aqui um desabafo +
submitted by leepz2019 to desabafos [link] [comments]


2020.07.09 00:18 MellowKween As pessoas mudam, mas fica quem quer. A história de uma amizade entre um homem e uma mulher.

Esse será um desabafo longo...
Conheci meu melhor amigo 'Tom' com 15 anos de idade. Morávamos no subúrbio e éramos apenas colegas de classe na época. Um certo dia nós dois estávamos num role dos amigos e eu e Tom começamos a conversar. Nós éramos muito parecidos e entramos numa sintonia absurda. Tom sempre foi um cara super extrovertido, engraçado e inteligente. Sabe aquela pessoa que conquista qualquer um? Esse era Tom. Naquela época, ambos eram apaixonadinhos por outras pessoas da sala, nossa amizade era pura e platônica. Tom era louco por Clara e eu pegava um outro carinha. Clara era da nossa turma, mas também era a mina mais gata do colégio. Esse era o tipo de garota que o Tom curtia: aquelas que todos cobiçam. Clara curtia ele, mas sempre brincou com seus sentimentos.
Tom e eu seguimos fortalecendo nossa amizade. Meu pai havia falecido e eu passei por uma depressão forte. Tom chegou a salvar minha vida algumas vezes... devo muito a ele. Eu morei fora um tempo e falava com ele pelo menos uma vez por semana. Ele sempre esteve lá pra mim e eu para ele, ouvindo as cagadas da Clara... Quando voltei para o Brasil, minha família havia mudado para SP, onde comecei a faculdade. Tom, assim como nossos amigos de colégio, ainda morava no subúrbio, mas ele vivia no meu apê. Esse era nosso nível de amizade, ele dormia na minha casa quando estava em SP e eu dormia na casa dele quando estava no nosso antigo bairro. Eu fiz muitas amizades na facul, e naturalmente, todos ficaram muito próximos de Tom também. Amizades que hoje são tão importantes pra ele quanto pra mim.
Passamos pelo primeiro perrengue de amizade nessa fase... eu fui crescendo e me encaixando no meu corpo... estava no meu melhor durante a facul. Me tornei uma mulher, já estagiava e vivia minha própria vida. Tom, por outro lado, estagnou... Tom nunca precisou se provar pra nada, ele sempre foi inteligente e carismático, acho que isso o deixou cair no conforto. Sua família é incrível e ele nunca precisou de nada. Ele tinha um problema nas costas que dificultava fazer esportes e ele se deixou crescer. Eu nunca me importei com a aparência de Tom pq sua personalidade sempre foi muito mais interessante. Eu poderia ficar conversando com ele por séculos, rindo e aprendendo... Já pensei muitas vezes em ter um relacionamento com Tom, mas infelizmente, ele demorou muito para amadurecer. Eu me tornei uma mulher quase independente e não conseguia me ver com um homem que se comportava como adolescente. Se há algo que eu nunca quis ser é mãe/babá de macho. Nunca consegui sentir atração por Tom por conta desse atraso emocional. Mas nada pôde impedi-lo de se apaixonar por mim naquela época. Ah mas era fácil de mais pra ele... Vocês entendem como pra mim isso é ofensivo? Eu nunca fui a Clara. Nem mesmo no meu melhor, nunca fui a mina mais linda do role. Ele só foi me curtir quando eu estava bem e ele mal... enfim, nós nunca nos separamos ou nos afastamos, ele nunca se declarou, só vinha com aquele papo 'se os dois estiverem solteiros em 30 anos a gente casa' mas falava pra nossas amigas em comum. Eu sempre frequentei a casa de Tom, sou muito próxima da família dele e sei que eles também torciam que um dia a gente ficasse juntos, mas sempre fomos incompatíveis romanticamente...
Nesse meio tempo, a família do Tom também veio para SP. Estávamos com 24 anos. Nós vivíamos juntos, eu já trabalhava e morava sozinha e ele vivia no meu apê. Tom estava procurando emprego e ainda morava com os pais. No meu trampo conheci "Jack", um homão da porra. Por um milagre, Clara apareceu de novo também e, obviamente, Tom nem pensou duas vezes antes de correr atrás dela. Nossa amizade era pura novamente. Eu e Jack viramos um casal, mas Tom e Clara não foram pra frente. Com 26 anos, nossas vidas mudavam... nossos amigos de infância casavam e tinham filhos e eu estava morando com Jack. Tom estava sempre na nossa casa. Ele ficou muito amigo do Jack, inclusive. Éramos tão próximos, nós três, que Tom dormia no nosso apê depois de noites de papo e jogos. Passamos reveillons e carnavais juntos, as vezes com a galera toda, as vezes só nós três. Eu queria muito que Tom arranjasse uma namorada, queria ver ele amadurecer, crescer e fazer vários roles de casal juntos.. era meu sonho.
Tom mudou de curso na facul depois de 2 anos pra fazer o mesmo que eu, mas em outra instituição. Tentei arranjar vários trampos pra ele na área, mas depois de se formar ele logo mudou de foco e quis entrar em outro mercado. Eu sempre fiz de tudo pra ajuda-lo a crescer e consegui arranjar um trampo pra ele na área que ele queria. Foi nesse trampo que ele conheceu "Paula". Paula é muito diferente dos nossos amigos, mas é uma mulher forte e inteligente, gostei dela de primeira. Mas Paula era um pouco mais velha e tinha outras prioridades... logo que eles começaram a namorar, Tom sumiu. Não nos chamava mais pra nada e quase sempre rejeitava nossos convites... aquele sonho que eu tinha de fazer roles de casal foi indo por água abaixo. Paula não curte quase nada do que a gente (nosso grupo de amigos próximos) curte, acho que Tom foi se afastando pq sabia que Paula não se sentia confortável no nosso role - não por conta do tratamento com ela, que sempre foi inclusivo, afinal todos amam muito Tom e queriam conhecer e agregar Paula, mas por motivos de hábitos mesmo. Nossos amigos (inclusive Tom) fumam (cigarros e outras coisas..) e Paula é alérgica a fumaça. Paula nunca tentou se aproximar da gente, não de verdade. No começo ela se fazia de próxima, mas era mais pra ganhar nossa aprovação do que pra realmente nos conhecer. Eles namoraram por 1 ano - tempo que mal vimos Tom - até que um dia anunciaram um noivado. Esse foi o relacionamento mais sério que Tom teve na vida. Eles ainda moravam com os pais. Eu achei muito estranho. Obviamente quero ver Tom feliz, mas fiquei preocupada, não sabia se ele já estava apto para casar sem pelo menos morar sozinho antes. Ele não sabia fazer tarefas básicas, tá ligado? Enfim, isso é um problema que eu tenho, mas que Paula pode não ter, então quem sou eu pra interferir. Eles se casaram no meio da pandemia. Eu queria estar presente para Tom num dia tão importante e falei com a irmã dele para armar uma surpresa no dia (eles iam no cartório de manhã e teriam um almoço só com a família próxima depois). O plano era juntar os amigos mais próximos do casal (pra vcs terem noção, eu não conheço uma única amiga da Paula, tive que achar as mina no instagram) e fazer um zoom surpresa na hora do almoço, quando eles cortariam o bolo e diriam os votos. Mas Paula teve a mesma ideia e quis chamar amigos pra participarem no dia... nossa surpresa estava em perigo, mas tudo bem. Ela fez um convite "Para os melhores amigos" participarem. Nenhum amigo do Tom foi convidado. Paula nem se importou pelo jeito... Quando eu entendi que eles estavam convidando pessoas e não me chamaram, eu desabei. A irmã do Tom me falou que ele deve ter esquecido e que nós continuaríamos com a surpresa (ela e a família tb não queriam que não houvesse um único amigo dele no dia. Gente, Tom era quase prefeito, cara super popular, não fazia sentido...). No dia anterior do casamento, eu liguei pro Tom pra dar parabéns, pra desejar felicidades, etc. Meio que dando uma última oportunidade pra ele me convidar. Nada, desconversou. Eu e Jack aparecemos no zoom, mas foi por obrigação. Nunca imaginei que seria assim o casamento de Tom. Ele ficou tão emocionado com a surpresa, me agradeceu e tal, mas não fazia mais diferença. Tom virou outra pessoa, não somos mais amigos como fomos por quase 20 anos. Grudados. Fiz tudo que pude por ele, sempre o mantive por perto, nunca imaginei que ele tinha tão pouco apresso pela nossa relação.
Está sendo difícil desapegar de Tom... sua família e os amigos estão um pouco preocupados com a falta de interesse dele em pessoas que sempre foram muito presentes. Já me pediram pra tentar falar com ele e entender o que está acontecendo. Paula sempre muito rígida, não deixa as conversas saírem do seu domínio. Mas sinceramente, não quero intervir. Tom tem as obrigações dele, as responsabilidades dele, não vou mais ser ferramenta de nada pra ele. Paula não controla o que ele fala ou o com quem ele se relaciona, ela não é essa pessoa, ele escolheu se comportar dessa maneira. Ele precisa crescer e casamento não é sinônimo de amadurecimento. Tentando correr atrás de um tempo perdido, Tom se atropelou. Se ele não quer minha ajuda, não vou forçar. Só na frozen, Let it go.
Eu conheci "Sara" quando tínhamos 5 anos. Sara era quase uma irmã pra mim, viva com minha família por anos. Estudamos juntas nossas vidas inteiras, mas nos afastamos bastante por muito tempo. Quase não nos falávamos mais. 3 anos atrás ela casou e me chamou pra ser madrinha. A gente quase não se falava e ela me chamou pra ser parte da cerimônia, convidada de honra. Na mesma semana que Tom não me chamou pro casamento dele, Sara me ligou dizendo que estava grávida e que eu seria 'titia'. Anos separadas não abalou nossa relação. Por isso meus amigos, eu repito, as pessoas mudam, mas quem quer, fica.
submitted by MellowKween to desabafos [link] [comments]


2020.07.05 10:21 gf_rdp Minha vida está na mão de imbecis.

Desculpa pelo post, desculpa pela agressividade, porém eu não aguento mais. Eu preciso conversar com alguém, nem que sejam apenas palavras em uma mídia social.
Um pouco de background. Tenho 18 anos, moro com minha mãe, meus avós e minha prima. Não quero passar como arrogante ou moralmente superior, porém eles são o que são, completos imbecis. Minha família sempre foi totalmente desligada de ciência, estudos, vida acadêmica, etc, preferindo ficar do lado da televisão, religião e teorias da conspiração. Graças a alguém desde cedo e sempre gostei de ler e acho que isso foi o principal responsável por me introduzir um pensamento científico. Nunca vi nenhum deles pegar em um livro, sempre fui ridicularizado por gostar desse tipo de coisa.
O começo da quarentena já mostrou como a luta iria ser difícil, a família se mostrou totalmente contra máscaras e quarentena, chamando isso de "ditadura" (adivinha que elogia a real ditadura), sendo assim o desgaste necessário para manter esses desgraçados em casa foi insano. Além de ter que ficar policiando eles 24 horas por dia, tenho que aguentar as incontáveis discussões, faltas de respeito, ofensas por ficar "contra a própria família".
Meu Avô foi na Caixa 2 vezes essa semana (semana passada), foi na feira comprar fruta uma vez, foi no atacadão uma vez, foi comer no Subway, e comprar e tomar cerveja conversando no mercado. Quando tentei argumentar com ele, ele ameaçou quebrar minha cara e me chamou de viadinho. Minha mãe só consegue defende-lo, também sai inúmeras vezes com suas Amigas para cá e lá, e fica puta quando chamo sua atenção.
Antes que você crie uma ideia errada sobre mim, achando que eu faço de tudo pra proteger ele, saiba que é o contrário, eu quero que ele se foda. Meu avô é talvez a pior pessoa que eu conheço. Ele se orgulha de ter sido torturador durante a ditadura (até guarda lembranças dos "subversivos"), é agressivo e abusivo com minha vó (um doce de pessoa que foi condicionada por uma família escrota a aceitar esse tipo de atitude), nos afastou de todo o resto de nossa família por conta de brigas idiotas, abusou psicologicanente da minha mãe a ponto dela desistir da careira Dela pra cuidar dele, repetidas vezes agrediu minha cadela a ponto de eu ter que doar ela (te amo, Amora) etc. Não me julguem, porém se ele morresse hoje eu tenho certeza que não choraria, porém não posso garantir que não ficaria feliz.
Todos os dias é uma luta, eu já acordo deprimido, sabendo que o dia vai ser desgastante e que minha família Vai se afastar um pouco mais de mim. Eu não aguento mais essa merda toda. Eu tenho diversos problemas de pulmão, fumei e fui viciado em maconha por quase todos os dias durante mais de um ano (16-17), tenho cicatrizes no tecido pulmonar e função pulmonar reduzida. Eu moro no DF, estado onde o governador disse que iria tratar o COVID como gripe, que não iria comprar respiradores (mesmo já estándo com 90% dos leitos ocupados) e ao mesmo tempo está sendo investigado por corrupção (quem diria). Devido minha condição financeira eu não sei se vai dar pra pagar um tratamento particular, eu já consegui juntar 600 reais desde o começo da quarentena, mas isso é longe do necessário.
Só agora eu percebi o quanto o desespero pode mudar uma pessoa. Sou ateu desde os 12 anos, quando comecei a ler Sagan, porém me peguei algumas vezes tentando me comunicar com algo superior, não sei até que ponto isso é fé ou só necessidade de conversar com alguém.
Eu cheguei a um ponto que eu simplismente desisti. Eu aceitei que nunca vou ter uma família, que nunca vou ter uma namorada, que nunca vou ter amigos do peito, que nunca vou conquistar algo na minha vida, que nunca vou mudar o mundo para melhor, que nunca vou ser lembrado por algo, que nunca vou viver um romance, que nunca irei encher alguém que me ama de orgulho. Eu passo o dia deitado na cama, fantasiando como seria bom se eu tivesse uma família, mulher e filhos que me amassem e me respeitassem como igual. Passo o dia pensando em todas as meninas que eu me apaixonei platonicamente e que nem vão se lembrar do meu rosto quando eu morrer, eu fico imaginando como seria se nós nos apaixonássemos e vivessemos uma vida linda, eu penso no tanto que eu poderia aprender com elas e elas comigo. Eu sei que é brega (e coisa de "viadinho", de acordo com o filho da puta), mas isso me ajuda a lidar com a situação. Pelo menos eu tenho um alívio momentâneo de toda essa merda. Reparem que eu disse momentâneo, pois quando eu percebo que todas essas lindas ideias nunca irão acontecer, tenho vontade de morrer.
É engraçado, eu arrumei um jeito de me enfiar em uma depressão fudida nos últimos 2 anos (a maconha com certeza foi um fator), ela estava melhorando antes da quarentena, porém eu me lembro de várias vezes ao dia pensar o quanto eu queria morrer, ficar imaginando se as pessoas sentiriam minha falta ou se sentiriam culpadas quando eu explodisse minha cara. Agora, quando eu estou a beira de uma doença mortal, eu não consigo parar de me agarrar a vida. A natureza humana é curiosa.
Hoje eu tive um pesadelo, eu sonhei que estava andando de carro com meu avô, e quando estávamos entrando na rua passou um carro do nosso lado com um homem de meia idade tossindo muito, meu vô desacelerou e ficamos um tempo com os carros lado a lado enquanto ele tossia. Nesse momento eu fiquei desesperado e sabia que tinha pego o Covid, a parte mais estranha do sonho é que meu vô pareceu se sentir culpado. Agora eu acordei, 4 da manhã, suando frio, e percebi que as luzes do quintal estavam acessas e que o carro da minha prima não estava aqui, perguntei para ela onde ela tinha Ido e a maldita está em uma festa de música eletrônica. Isso mesmo, querido amigo, minha priminha foi para o RAVE, enquanto eu estou a quatro meses dentro de casa para protege-la.
Eu tenho muitos arrependimentos, mas nenhum deles chega perto de se comparar com o maior de todos. Quer saber o que é? Ser tímido. De todas a s merdas que eu já me meti, a que mais me arrependo é ser tímido. Talvez se eu tivesse sido popular, tivesse sido esportista, tivesse sido engraçado e prazerosos de se estar perto, talvez eu teria aproveitado minha vida até aqui, talvez eu tivesse amigos que me amassem e se importassem comigo, talvez eu tivesse vivido um amor. Meu aniversário passou a alguns meses, e ninguém lembrou... Nem umzinho parabéns... Nada... Os únicos que lembraram foram os da minha casa, após minha mãe convenientemente lembra-los durante o café da manhã. Isso me deixou completamente fudido, dói até hoje... Se eu tivesse que fazer tudo diferente eu teria feito. Não teria passado os últimos dois anos enfurnado dentro do quarto, fumando maconha para me imaginar como grande, para esquecer o quanto eu me odeio e me envergonho de mim mesmo toda vez que eu boto o pé para fora de casa. Esses dias eu sonhei com uma menina chamada Isabelle, foi um lindo sonho, porém quando acordei a realização de que foi tudo Fantasia foi a pior de todas, desde então prefiro ter pesadelos, é melhor acordar e perceber que nada foi real.
Sinceramente, eu só queria alguém para conversar (sem propostas, gente), alguém para poder abrir meu coração e falar como me sinto e me senti nos últimos anos, alguém que possa eu possa olhar nos olhos e saber que Ali existe amor e compaixão...
Se eu for infectado eu posto uma atualização, se eu sobreviver também. Desculpem pelo desabafo adolescente, porém essa horinha que eu tirei para escrever, ajudou a me acalmar. Cuidem da família de vocês, gente. Por pior que eles sejam, eles podem ser tudo que vocês tem, obrigado pela atenção.
submitted by gf_rdp to brasil [link] [comments]


2020.07.03 22:42 fazumquibi QUANDO FUI ASSEDIADA PELO NAMORADO DA MINHA AMIGA NO ÔNIBUS A CAMINHO DA FACULDADE

Olá Luba, espero que esteja tudo bem contigo, olá editores espero que estejam bem, olá gatas, resto de papelões, microfone, porta e computador, começo perdido perdão pelos erros de português. Em 2019 eu com meus 17 anos estava iniciando minha jornada na faculdade, escolhi fisioterapia, eu queria que minha amiga fosse no ônibus comigo e me levasse até minha sala, sim sou insegura a esse nível, acabou que o namorado dela pegaria o mesmo ônibus que o meu, semanas se passaram e ele ia sentado ao meu lado, sem conversar, cada um ouvindo música em seu fone, até que um dia ele me perguntou se eu via animes e eu falei sobre attack on titan e outros animes que já vi, ele começou a conversar comigo sobre animes, jogos de computador, sobre os vídeos do Luba e outros youtubers, eu via os vídeos do Luba no ônibus, um dia ele me pediu se poderia ver comigo, eu me odeie por não dizer não, mas eu não consigo dizer não para as pessoas, ele passou a me comprar doces (ele trabalha em uma loja de doces), eu tentava negar mas ele dizia que eu iria sentir fome durante as aulas e colocava o doce na minha mão, o mesmo contava tudo da vida dele e da namorada, que iriam se casar e essas coisas, uns meses depois, estávamos ele e eu indo para a faculdade como sempre, mas eu estava ouvindo música e ele sem fazer nada, mas ele simplesmente passou a perna por cima da minha, eu me senti horrível com isso, mas ele ainda teve a audácia de passar a mão na minha coxa, eu quis chorar nessa hora, ele chegou perto do meu ouvido e disse " esse é nosso segredinho tá?", bom depois disso fui para a sala e digitei no celular o que aconteceu para a minha amiga, quando ela chegou mostrei pra ela e comecei a chorar, logo depois liguei para minha mãe e meu pai foi na faculdade me buscar depois da aula, o assediador me ligou perguntando se eu não ia no ônibus e eu só desliguei na cara dele, em casa eu chorei demais, não consegui dormir, fiquei acordada a madrugada inteira, peguei meu celular e fui no chat com a Bars ( a namorada do babaca lá), disse tudo o que tinha para falar, ela me perguntou várias coisas e depois não me respondeu mais, um tempo depois me mandou uma mensagem de que não queria me encontrar na faculdade pois quando ela estava brava ela vira outra pessoa, minha mãe entendeu essa mensagem como uma ameaça e perguntou se eu não queria ficar em casa, mas eu fui pois tinha matéria importante, nesse dia na facul eu esperei minha amiga no portão e graças a Deus não encontrei com a maluca possuída, eu esqueci desse assunto e tentei não me culpar, eu nunca quis que isso acontecesse, somente tinha feito um amigo no ônibus, mas ele queria algo a mais aquele nojento, nesse ano em fevereiro eu comecei a fazer aula de Zumba e a Bars também, ela começou a falar comigo e eu tentei esquecer que ela me ameaçou, mas ela não parecia ter engolido aquele assunto já que queria que eu fosse até sua casa conversar com seus pais porque segundo ela, os seus pais não gostam de mim pelo que "eu" fiz, eu só disse que não tinha nada para falar sobre aquilo e ela parou de falar comigo, a mais ou menos dois meses atrás uma amiga dela que é minha amiga também me disse que eles terminaram o namoro, segundo uma prima do namorado assediador, ele era muito safado para o lado das meninas e tinha fama de pegador, não se como pq ele era bem feio, para ser galã e pegador no mínimo precisa ser o Luba, enfim essa foi minha história, não me sinto mais mal por isso, mas gostaria da sua opinião sobre Lubisco, te amo, amo os editores, que Deus abençoe as suas gatas e todos vocês <3
submitted by fazumquibi to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.28 23:21 MAD-PT [AMA] Após quatro anos nos arredores de Zurich, acabei de sair da Suíça.

Boas pessoal,
Visto que já fiz vários comentários sobre a minha estadia na Suíça e tive várias pessoas a enviarem-me mensagens com várias perguntas, decidi criar um AMA (Ask Me Anything) / Pergunte-me Qualquer Coisa.
Muito do que vou escrever já escrevi noutros posts/mensagens e é com base na minha ou na experiência de pessoas conhecidas/amigas. Acredito que nem toda a gente tenha passado pelo mesmo que eu passei por isso convido a todos os que vivem / já viveram na Suíça a partilharem a vossa experiência e darem os vossos conselhos.
Espero que isto ajude a todos os que estejam a ponderar mudar-se para a Suíça e aos que chegaram há pouco tempo. Estejam à vontade para perguntar o que quiserem.
-----
Pequena intro:

Despesas:

Troques e dicas:

Como é viver na Suíça:

Coisas que me aconteceram (e a conhecidos meus):
TL;DR;
submitted by MAD-PT to PortugalLaFora [link] [comments]


2020.06.24 22:52 anaa3009 Sou babaca por não falar mais com meu primo por ele terminar com a namorada dele?

oi lubisco, editores maravilhosos e turma que estar a ver. Vim contar esse barraco que aconteceu na minha família no íncio do ano. Eu vou contar na versão minha e de minha prima pq nos éramos as mais próximas desse primo(ele tem 26, minha prima 21 e eu 15 e msm sendo mais nova eu sempre fui muito próxima deles principalmente por esse primo ser meu vizinho) eu gostaria de intitular essa história como: Também quero agredir ela, mas deixo pra você
A história começa quando meu primo estava namorando uma garota, vou chamar ela de Carls, e eles namoram desde que eu me lembro, tanto que eles estavam noivos(o namoro deles durou uns 8 anos). Mas antes do casamento eles decidiram criar um cantinho so pra eles então meu tio deu um terreno pra eles e lá eles começaram a construir sua casa. Desde sempre minha mãe e eu éramos muito amigas da Carls, pois ela já foi assistente da minha mãe e brincava comigo a uns anos atrás. A história começa no fim do carnaval quando eu e essa prima minha vimos umas fotos e publicações estranhas desse primo, logo criamos a teoria de que ele é a Carls haviam terminado. Não muito tempo depois, descobrimos que eles realmente haviam terminado. Eu e essa prima achamos que foi por traição(por conta de umas publicações dele, foi mt estilo FBI) mais descobrimos que foi algo bem pior. Descobrimos que esse primo pediu um tempo com a Carls, literalmente nos últimos dias do carnaval e logo depois saiu em um bloquinho com seu irmão mais velho e lá ele tinha se encontrado com outra garota e ficado com ela. Assim, descobrimos algumas coisas, no últimos(pelo que sei até agr) 3 anos de relação, ele estava traindo a Carls e enganando ela, fazendo ela pagar viagens e até coisas sobre o terreno da "casa" deles. Para piorar minha tia sabia e estava encobrindo tudo, o que gerou muita briga. Como disse, a Carls era muito amiga minha e da minha mãe então ela veio aqui em casa e explicou tudo, um dos amigos do meu primo contou tudo pra ela é mostrou provas também, depois disso meu primo até tentou reatar o relacionamento mas obviamente não deu certo. Rolou muita briga pois ela tinha gestado muito dinheiro com ele e agora ele teria que vender o carro pra conseguir pagar. Achamos que tudo tinha se resolvido, meu primo já não participava das festas em família e hoje ele faz festas ignorando a quarentena(mesmo morando ainda com os pais). Mas agora eu e minha prima não sabemos o que fazer pois a amante mais antiga dele, que ele estava namorando desde o fim do ano passado( e que sabia que na época ele namorava a Cals) agora e sua atual namorada. E óbvio que eu como amiga da Carls já não gostava da garota mas tentei ser simpática mesmo assim, tentei puxar assunto sobre livros, séries e filmes que são as coisas que mais amo e ela simplesmente não gostava de nenhum, cheguei a puxar o assunto de carros antigos que e um assunto que eu,meu pai e meu primo amamos e mesmo assim ela não conversava e não mostrava interesse nenhum de conhecer o resto da família. Eu realmente não quero ser grossa então comecei a só dar um "oi" ir embora pq estar perto deles era muito desconfortável, e essa prima minha está decidida a partir pra agressão se necessário(o que ainda não aconteceu graças a mim, por isso acho a garota muito sortudade de não conhecer ela ainda). Meu pai acha essa nossa atitude muito babaca e acha uma falta respeito(sim, nisso tudo meu pai estava do lado do meu primo) e por isso era pede para que a gente trate ela igual a Carls o que é impossível para mim e para minha mãe e minha prima. Essa foi a história lubisco e turma e desculpa pelo texto longo e me ajudem, sou babaca por ignorar eles e não tratar ela igual a Carls?
submitted by anaa3009 to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.17 10:33 Lariplush Achei que era romance Netflix mas virou novela mexicana.

Olá, Lubisco, editores, Jeans, convidados e turma que está a a ver,(rip papelões). Minha história é meio grande mas vou tentar resumir pra vcs. Essa história já tem uns anos que vem rolando mas só percebi recentemente, tudo começou em meados de 2016. Eu vim morar em uma cidade de interior bem pequena lá pra 2013 ou 2014, (ps: nasci em SP e cresci lá tem 7 ou 8 anos que estou aqui), logo que cheguei me engracei com um hetero e tivemos um relacionamento longo, logo não saia muito de casa era só rolê de casal mesmo (logo vao entender o pq). Em meados de 2016 eu e o boy estávamos brigados minha mãe não queria ver ele, então combinei com uma amiga de ir na única boate da cidade pra fingir que to no rolê com ela e sair com ele, antes de ir pra boate ficamos eu, minha amiga e meu amigo gay esperando o meu noivo na época chegar em um barzinho de frente. Quando chega um grupo de meninas, uma delas ficou me olhando fixamente e meu amigo disse que o gaydar dele tava apitando que ela me queria, sempre fui bisexual mas não dei muita importância na época pq tava focada no meu relacionamento com o boy que logo chegou e eu sai de lá. O tempo passou e em 2017 eu pra casar com boy estava terminando os estudos junto com ele, estudávamos a noite na mesma sala, chegando na sala nova me deparo com a garota esquisita de novo (Ps: na época não me lembrava que era a mesma do barzinho), sentávamos próximo a ela tipo do lado separados por um corredor. O boy que eu estava era extremamente tóxico (vivia em um relacionamento abusivo e nem sabia) brigava comigo por tudo e sempre riamos brigas feias na sala, e ela acompanhava tudo de perto. Um belo dia ele ficou encarando a menina dizendo “essa desgraça não desconfia? Culpa é sua que gosta de ficar chamando atenção por ai”, eu sem entender nada achei que era loucura da cabeça dele, no outro dia começei a reparar e vi uns sinais, mas permaneci acreditando que era loucura, nesse meio tempo fomos sorteados pra ganhar um curso pré vestibular. E adivinhem quem foi sorteadas? É isso ai eu e ela. Nos aproximamos durante esse curso que era junto com outras escolas, sentávamos juntas e brincávamos tava começando a sentir coisas diferentes, até que um dia ela foi com outra garota que nem era do curso pra lá, eu supus que era namorada dela (a mina tinha cara de mal) então esse dia sentei com grupo de amigas, eu andava com as blogerinha populares pq era modelo na época, depois que ela me viu com a turma ela sumiu do curso, (na época não achei que fosse por minha causa). Na escola ela faltava quase sempre e eu tbm e não nos falávamos porque o boy morria de ciúmes dela, trocamos umas msgs no face pra trocar matéria ela me chamou pra sair com amigos mas não fui. Vida seguiu ano acabou, anos se passaram. O boy abusivo começou a ser agressivo comigo e lá pra fim de 2018, um belo dia em casa viu minhas msgs do face e achou minha conversa com ela e surtou “vc disse que ia sair com ela? Ia escondida? Pra quem não meche no face entrou só pra responder ela?” E no meio da briga me agrediu. Dai eu dei um basta e separamos, meses se passaram e já tava até com outro boy. Veio a black friday de 2019 e eu e meu novo boy decidimos passar na Americanas a madrugada comprando besteira, na fila a minha frente tinha uma garota primeira amiga que fiz quando cheguei na cidade, tínhamos nos afastado com o tempo e aquele dia nos reaproximamos e marcamos uns rolês, no segundo rolê com essa amiga minha estávamos conversando sobre sexualidade e eu disse que era bi mas que daquela cidade nunca tinha tido interesse em nenhuma guria, exceto uma ela me perguntou como era, dai eu expliquei, dai ela disse “mentiraaaa” e a (vamos chamar de Arls) eu disse que sim ela disse “que tudo” e passou, isso foi no domingo, quando foi quarta-feira, adivinha quem me solicita seguir no insta? Poiseee, já logo perguntei oque minha amiga tinha falado. Ela mandou o print que dizia “minha amiga quer beijar sua boca” pra Arls, é amados essa vergonha eu passei a vista. Começamos a conversar eu me expliquei pra ela papo vai papo vem, ficávamos conversando durante horas e horas madrugadas e madrugadas, marcaram um rolê pra gente se vê, (eu já tinha largado o boy da época), e dai rolou nosso primeiro beijo no banheiro de um posto de gasolina com total de 90% de pressão das 20 pessoas em volta que eu conhecia apenas 2 ou 3 no máximo, (Ps: sou extremamente tímida pra mim foi muito difícil), as coisas foram indo, nós morávamos no mesmo bairro, chegou Natal (ai Natal), ela foi em casa com uma galera depois fim de noite fomos pra outro posto. Estava eu lá bem bebada doida, mas clima de casalzinho com ela e a galera. Adivinha quem chega no posto? Isso mesmo o boy tóxico, (esqueci de contar que depois do término antes desse Natal ele já tinha me ameaçando várias vezes e tentado passar em cima de mim com o carro várias vezes tenho testemunhas disso) eu vi, ela viu que eu fiquei nervosa (medo o nome mesmo) e sem saber que um dos motivos do meu término foi ela, me beijou na frente dele, e foi lindo pq eu queria mesmo que ele me deixasse em paz e com ela eu tava bem e feliz (por enquanto). Depois disso ele só me chegou muito por msg e sumiu. Eu pensei é isso, mas meus pais não sabiam que eu era Bi, e tudo era escondido na cidade pequena e ela sempre me vinha com papo de “fique com outras pessoas pq não quero me prender eu vou pegar geral tbm uhul ✌🏻” falei “suave suavao” tava na época de liberdade pós relacionamento abusivo e tals dai eu tinha uma pessoa pra cada dia da semana, era o Farls a Larls o Cals a Tals, e por ai vai, sempre tive muitos amigos e bebia quase todos dos dias (meus pais estavam se separando tbm estava em uma fase difícil), mas sempre dava preferência pra ela (se ela quisesse namorar de verdade abriria mão de tudo por ela), até que prece que ela começou a se incomodar, a amiga da black friday começou me dar uns toques “para de trair ela” e eu “gente não namora é isso que ela quer”, ela tentava me fazer ciúmes nos roles que iamos mas as guria davam em cima de mim e ela emburrava, (nunca fiquei com ninguém na frente dela, quando tava com ela era só ela), um dia perguntei pra ela se ela queria que eu parasse se isso incomodava ela, ela me disse que não é que era coisa da minha cabeça, e que ela não podia namorar pq já tinha uma web namorada. Ok, continuei nos roles curtindo como se não houvesse amanhã, ela começou a mudar comigo me tratar mal ficar estranha, já não nos falávamos mais as madrugadas e sempre com grosseria, dai parei com meus roles tentei ser mais presente sempre levava um chocolate quando ela estava triste, (eu sempre gostei dela fazia aquelas coisas pra não me apegar a alguém que eu achava que não me queria e tinha medo de me machucar de novo), mas as coisas foram ficando cada vez mais estranhas, quando eu ia pra lá ela não saia do celular conversando com umas guria, nunca senti ciúmes pq não me achei no direito já que não tínhamos nada mas parecia sempre que ela queria esfregar na minha cara. Fato é um belo dia ela pediu para sermos apenas amigas, não durou 3 dias tava na cama dela de novo, ai começou um briga e se pega de novo teve muita coisa nesse meio não vou contar tudo pra não ficar muito maior do que já ta, mesmo assim ainda acho que ela não gostava de mim. Tinha uma amiga de faculdade minha que pagava de hétero e nós pegávamos as vezes, quando comecei a ver que estava gostando de mais da Arls a Larls se reaproximou bastante de mim (até então a Larls era única menina da regiam que eu tinha me envolvido sentimentalmente mesmo) um belo dia eu postando stores com a Larls a Arls parou de me seguir, dai eu vi que tinha magoado ela e me senti um lixo, nesse dia eu vi que estava apaixonada (nunca disse isso a ela) mas não conseguia mas “dormir” com a Larls, logo ela viu isso é tbm me mandou ir atrás da Arls, dai pra frente amores foi meu desande e descordai. Tentei me reaproximar dela mas ela sempre grossa me cortava sempre tentava me afastar, de todo jeito possível, mas de alguma forma eu vez ou outra conseguia dobrar ela e era perfeito noites lindas que sinto falta. Isso durou meses ela nunca mudava sempre me rebaixando e webs namoradas e tentando fazer de tudo pra me magoar. Eu permaneci até um dia cansar, e tentar ficar com outra pessoa agora serio sem tudo isso, ela me viu com essa guria e me mandou foto mal, adivinha quem foi no outro dia atrás? É eu mesma, foi mais uma das noites bonitinhas e perfeitas parecia até que tinhamos “voltado” . Não durou muito depois disso voltou tudo, mas ela ainda me chamava pra ir ver ela as vezes, até que um dia bebada em rolê (nosso grupo de amigos é o mesmo), a conheci uma guria e fiquei foda-se tava magoada e tals, advinha se não chegou na Alrs? E ai só piorou tudo. Nunca tinha dito oque sentia por ela por ela me tratar mal não queria ser piada na roda de amigos esses dias pra trás eu bebada acabei falando oque eu sentia pra ela ela por sua vez, demonstrou pena e disse que tava web namorado a 3 dias e queria que isso dela desse certo (detalhe a gente tinha se beijado 40 minutos antes). Fiquei triste mas aceitei afinal já esperava que ela não gostasse de mim, final de semana fui na casa dela buscar minha guitarra (Ps: havia sonhado com meu ex boy abusivo e ela uma semana anterior a eu ir na casa dela a semana toda, morro de medo desse guri quero ele longe), e adivinha né fiquei mais doque devia dormimos juntas. E ela com vídeo chamada com a web mina dela seila oque, no outro dia de manhã ela me acorda dizendo que a prima da guria amiga dela que tinha adotado uns cachorros dela tava lá pra mostrar os filhotes, ela me disse pra não sair do quarto e eu perguntei porque, ela disse que tinha acabado de descobrir que o boy da menina era o meu ex boy doido. Ela fingiu demência e foi brincar com os dogs e eu fiquei em estado de choque dentro da casa “me deu crise de ansiedade e pânico” sozinha enquanto eles confraternizavam tranquilamente, eu sem bateria no cel e sem dinheiro pra ir embora. Ela entrou depois de um tempão e olhou nos meus olhos e me perguntou. “Tem certeza que ele te batia? Ele parece ser legal.” De todas as coisas que ela tinha me dito e feito essa foi a que mais me feriu, depois disso ficou do meu lado dizendo por video chamada sobre como queria chupar a web namorada, e a minha carona não chegava, (Ps: não moro mais perto dela tipo do outro lado da cidade) aqui não tem ônibus e mesmo que tivesse tava sem grana só cartao, aqui não tem uber nem os moto táxi não aceitam cartão e era domingo, ou seja tava presa ali, tudo aquilo tava me matando eu fui pro quarto dela escondida chorar tipo muito, até que ela me mandou msg pra me falar pra ir embora, disse que pagava e tudo que não me queria ali mais, meu celular acabou a bateria não consegui avisar quem ia me buscar que eu ia sair daí mas mesmo assim, levantei chorando peguei minha guitarra e atravessei a cidade toda com a guitarra nas costas chorando. Infelizmente ainda esqueci minha blusa lá e vim embora com a roupa dela. Minha carona meu amigo me achou na rua chorando ele tava desesperado tadinho, dai fiquei bad sumi de tudo whats, insta, durante uns 4 dias, (isso tudo foi no domingo) depois de um tempo voltei e no outro final de semana descobri que na terça-feira (dois dias que eu tava sumida de tudo) ela havia trocado de numero e na quinta me “silenciado” no Instagram, crente que eu ia atrás dela. Não fui,nem iria, nem vou, pois dessa vez eu fiquei muito magoada com oque escutei dela mesmo tendo ela visto tudo que viu e apesar de gostar muito dela é isso não passou até hj. Cansei disso tudo... Não vi mais ela depois disso tudo nem sei se verei (toda vez que nos víamos era um climão bizarro sempre acabava na cama dela ou atracada em um canto) por enquanto permaneço firme, mas magoada e com saudades ao mesmo tempo. Queria muito que tivesse dado certo mas enfim, gosto muito dela talvez ela nem saiba e nem vai saber se o Luba ler pq ela odeio YouTubers em geral então é isso. E ai eu fui a babaca?
submitted by Lariplush to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.14 10:51 karlswith_k "Como perdi TRÊIX pessoas importantes na minha vida em menos de TRÊIX meses".

 ♡Oiii Luba, editores, falecidos papelões, gatas e pessoas que estão a ver, hoje irei contar a vocês a minha incrível história de... 
"Como perdi TRÊIX pessoas importantes na minha vida em menos de TRÊIX meses ... ;-; " (luba se possível tem como tentar fazer sotaque nordestino? Pq sou nordestina e acho fofo quando você tenta imitar nosso sotaque ♡).
Eu comecei um namoro(inclusive meu PRIMEIRO namoro) no ano de 2017, que durou até o finalzinho de 2019. O meu namorado(vamos chama-lo de "baka") era muito possessivo, tinha ciúmes de todo ser vivo que chegava perto de mim, queria até controlar minhas conversas pelo Whats, como se já não bastasse queria governar o jeito de como eu me vestia(tamanho de saia, vestidos, tipos de brincos e etc.), eu estava ficando extremamente sufocada com esse relacionamento. Na metade do ano passado eu havia conhecido um garoto chamado "Farls", que era super legal, logo viramos super amigos e como qualquer namorada, contei para o "Baka" sobre o "Farls", o quanto ele era legal, um ótimo amigo e mesmo com ciúmes nítidos, ele virou amigo do "Farls", isso me deixou super feliz.
Na minha cabeça, eu acredito que devido a sufocante relação que eu tinha, acabei me apaixonando pela atenção e compreendimento do "Farls", por esse motivo achei melhor eu dar um tempo no meu namoro com o "Baka" e de algum modo ver se o que eu sentia pelo "Farls" era verdadeiro ou não, já que ele também havia se apaixonado por mim(deixei claro para o meu namorado que queria ver se o que eu sentia era real ou não).
Em um belo dia, após às aulas, fui com o "Farls" e alguns colegas da minha turma comprar ingredientes para as comidas da festa da guria que iria aniversariar alguns dias depois, compramos o que precisávamos e cada um seguiu seu rumo, mas eu e "Farls" decidimos ir juntos até um determinado lugar onde ficava perto do ponto de ônibus que ele precisava ir e perto do caminho para eu voltar para casa, mas no percusso, meu namorado viu nós dois "JUNTOS" e decidiu fazer uma novela, na frente de todo mundo(observação: eu ODEIO passar mico, ooou ser humilhada em PÚBLICO), nisso o bonitinho(o "Baka") chegou por trás de nós dois e nos empurrou em direções opostas querendo nos afastar(obs.: estavamos longe um do outro, não estavamos nos esfregando em NENHUM MOMENTO), ele olhou para mim e gritou:
Mesmo com muita vergonha do que havia acontecido em PÚBLICO, eu e o "Farls" seguimos nossos rumos para irmos para nossas casas, após alguns minutos que eu havia chegado em casa, minha mãe me avisa a chegada do meu namorado, fui até ele e quando ele me viu começou a falar um monte de coisas idiotas pra meu lado, incluindo palavrões, apontando dedo na minha cara falando coisas que eu não fiz, dizendo que sabia de traições que EU havia "COMETIDO", porque ele tinha vários amigos deles na minha escola que ficavam de olho em mim e falaram isso pra ele. Depois de me irritar no meu limite, ele fala que terminamos e o bonito faz o drama de bater o portão da minha própria casa na minha cara, saindo correndo com cara de choro dali. Eu simplesmente caguei pra ele, pois, depois de todo aquele acontecimento as chances de eu ficar com ele foram de 10% para -1000%.
Alguns dias depois, terminamos oficialmente, contando pra os meus pais. Então, eu FINALMENTE estava livre. (Observação.: além do "Farls" que gostava de mim e eu dele, meu melhor amigo que eu conheci um ano antes que o "Farls", [chamaremos ele de "Garls"], também gostava de mim, inclusive já havia me contado sobre os sentimentos dele pra mim antes, mas eu simplesmente estava louca de amores pelo "Farls", começando um namoro com ele e magoando meu amigo "Garls").
Meu namoro com o "Farls" não durou muito tempo, porque percebi que meu sentimentos por ele não eram mais a mesma coisa, então resumindo...
Terminei um namoro extremamente tóxico, iniciei outro relacionamento que eu achava estar extremamente apaixonada, sem estar e acabei magoando meu melhor amigo, que inclusive, estou gostando dele agora, mas ele deixou claro que estou na "FRIENDZONE"...
Eu fui babaca em ter seguido meus sentimentos pelo "Farls", ter iniciado outro namoro apenas um mês depois do término do meu outro namoro passado e por ter ignorado os sentimentos do meu amigo?? Sim ou com certeza? ;-;
Espero que tenham gostado da pior história do mundo haha, bjs Lubisco, te amo. View Poll
submitted by karlswith_k to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.13 03:55 SrtaAnonymouns Amizade, Drogas e Confusões - Eu sou a babaca?

Olá Luba e todo mundo que vai ler está história
Vou tentar encurtar um pouco a história pra não ficar tão grande.
Não sei se essa história vai ser escolhida, mas se for, essas duas ''amigas'' minhas vão vê-la. Enfim, tudo começou em 9/19 de junho de 2016, eu havia acabado de me mudar para minha primeira casa depois que eu, minha mãe e minhas irmãs fomos embora da roça. Houve complicações com meu pai e minha mãe na época. Eu não estava estudando porque estava esperando minha mãe me matricular numa escola depois da Ponte Amarela, no bairro Oficinas Velhas.
No meu primeiro dia de aula, conheci algumas pessoas que ainda falo quando as vejo, e outras, que perdi contato ou que apenas quero distância. Naquela escola eu conheci duas garotas, vou chamar uma de Dyah O´Brien, e outra de Unicórnia Suprema. Nessa época, eu estava na 3 ano. Fiz amizade com a Dyah O'Obrien, a outra ainda não havia chegado naquela escola, nem nos conhecer conhecia. Eu não falava muito com a Dyan, mas ainda assim éramos amigas.
No 4 ano (2017), a Unicórnia Suprema já havia chegado na escola. Eu não fui com a cara dela no começo. Pois como eu me achava muito inteligente, não queria outra garota inteligente na mesma sala que eu. No primeiro dia de aula que ela veio, ela lia os textos com a voz firme e em um bom tom, não errava uma palavra. A Dyah fez amizade com ela. Até que depois de alguns dias eu também fiz o mesmo. Pra mim a Unicórnia era como uma irmã. No 5 ano (2018), no primeiro dia de aula, eu conheci uma outra amiga minha. Essa eu vou chamar pelo nome dela, um nome maravilhosamente que sempre me conforta quando eu fico triste, Layla. Ou L.Burke, como eu e ela demos um novo nome quando eu quis escrever meu livro, e por ela como minha sócia.
Bom, no 5 ano eu conheci a Layla. Teve uma explicação longa da minha professora querida, Márcia. Eu não sabia que tinha de levar minha mãe, mas também não levaria, pois minha mãe com os problemas de saúde que tem, tem horário de tomar os seus remédios. Depois da longa explicação, as outras crianças que seriam nossos colegas foram embora com suas mães. Eu e Layla descemos as escadas para ficar aguardando alguém nos levar para casa. A Layla ia de van, e eu esperava minha mãe ou minhas irmãs me buscarem quando resolviam tudo, lá por volta dos 12:00. Eu e ela ficamos do lado de fora do portão na parte da frente da escola esperando. Eu puxei assunto e perguntei qual era o nome dela, e ela me disse ''Layla'', eu falei o meu também. Perguntei qual era idade e outras coisas a mais, mas a conversa não durou muito tempo. A coordenadora pediu para que entrássemos e ficássemos na cantina esperando. Sentamos na mesa e Layla começou a desenhar uma garota com correntes nos tornozelos, sentada na janela. Eu comentei sobre o desenho, e ela me mostrou outros que ela fizera. Depois eu fiquei deitada em cima de minha mochila, olhando ela desenhar, até que caí no sono.
Depois de uns dias, a Unicórnia Suprema ficou conversando com a Layla, e elas fizeram amizade. Eu até então, só falava com a Layla as vezes. Depois também fiz amizade, e foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida, pois tive ela como amiga. Nós três éramos melhores amigas. Eu ficava falando que nós três nunca nos separaríamos umas das outras, e que nossa amizade duraria para sempre. Eu me enganei. Nesse ano, eu comecei a me cortar, ficar muito triste em alguns momentos, mas ficava pior ainda quando não tinha ninguém por perto. As duas me ajudavam, me apoiavam e me confortavam sempre que podiam. Eu percebi depois de um tempo, que sempre que eu mandava mensagem pra elas no nosso grupo ''As Doc7'', falando que eu ia me matar, eu acabava causando aflição, desconforto e tristeza nelas. Não sei se elas sabiam, mas sempre que eu falava aquilo eu passava o dia chorando, me cortando e sempre tentando me matar. Superei isso tudo depois de um tempo. Um dia, quando eu não tinha respondido a Unicórnia em nenhuma rede social uns dias antes, eu cheguei na escola subindo as escadas pro andar de cima, e ela veio correndo até mim sorrindo e gritando um pouco, vindo me abraçar. Aquilo foi uma das coisas que me ajudou, e que aprecio aquele momento até hoje. Enfim, no final desse ano, nós três nos separamos. A Layla foi pra outra escola quando estávamos indo pro 6 ano (2019), eu e a Unicórnia fomos pra mesma escola. Mas o lance é o seguinte, indo pro final do ano quando a gente tava no 5 ano, eu havia brigado com a Layla que por um motivo que nem sabia. Nós estávamos fazendo nossa formatura do Proerd, foi quando briguei com ela, mas nos resolvemos depois e ainda somos amigas. Depois eu briguei com a Unicórnia, por um motivo bem besta pra falar a verdade, vou explicar. A Unicórnia me mandou mensagem falando sobre uma nova amiga virtual que ela havia feito amizade, eu respondi com um '';-; bom pra tu'' (eu acho) e ela começou a falar que eu não podia falar nada porque ela tinha feito uma amizade nova. Pra falar a verdade já me esqueci o que ela falou, mas foi algo assim. Eu também briguei com ela e depois ela acabou me bloqueando e nunca mais nos falamos. Na época que isso aconteceu eu já tinha me mudado pra minha terceira casa no bairro Oficinas Velhas, a casa ficava atrás do colégio que eu estudo atualmente. Eu sempre ficava vendo aquele conversa, ficava chorando sempre que lia, outras ocasiões que fazia isto eu apenas ficava com raiva e dizia ''foda-se''. Mas nunca conseguia ficar em. No Natal eu chorei no meu quarto porque não pude dar um ''Feliz Natal'' pra Unicórnia Suprema e nem pra L.Burke. No ano novo eu fui pra varanda, me encostei no muro de lá e comecei a chorar porque a Unicórnia não estava lá comigo, sendo que era só eu descer a rua, descer a minha direita, andar um pouco e apertar a campainha e falar com ela. Mas eu não podia fazer isso. Minha mãe me viu chorar e me chamou de trouxa me falando pra eu superar ela. Dizendo que eu não morrer, que eu ia ficar bem. Mas eu não acreditei nisso.
Em 2019 já no 6 ano, no primeiro dia de aula eu fui para o colégio em que eu morava logo atrás. A Diretora começou a chamar os nomes de quem ia ficar na sala 601. Até que meu nome e o da Unicórnia foram chamados, eu não estava acreditando nisso. Eu fiquei aflita, triste, confusa e pensando no que eu ia lhe falar. Até que um dia eu tive a coragem para chamar ela para fora da sala e lhe falar o que eu estava acumulando. Segue a conversa:
- Unicórnia, eu quero lhe falar que eu tô' ficando muito incomodada de te ver sendo amiga de outras garotas - eu disse ( mais ou menos isso)
- É só não olhar - ela disse (mais ou menos isso)
Nós ficamos falando sobre a nossa briga e meio que ''resolvemos tudo''. Eu acho que chorei um pouco, não me lembro. Lembram da Dyan O'Brien? Pois então, eu, a Unicórnia e ela viramos melhores amigas. Sempre falávamos sobre a Layla, e do quanto sentíamos sua falta. Eu me diverti muito com as duas, mas não iria querer voltar a falar com elas.
Em 2019, eu fiz minha mãe chorar muito. Me meti em brigas. Me ''apaixonei'' por alguns garotos, sendo que amava outro desde 2016 (sobrinho da ex do meu pai, um dia falo sobre ele). Me descobri bissexual. E a pior coisa de todas, que eu acho que fez a nossa amizade acabar... as drogas.
Não vou falar coisas que não fiz como fingir que eu era um bandido pra Dyah, falando que eu estava em uma boca de fumo e que se ela falasse alguma coisa pra alguém, iriam dar um tiro na minha cabeça. Confesso que não sei o porquê eu fiz tudo aquilo, mas eu acho que eu só queria atenção, não, eu tenho certeza. Com essa mentira eu acabei prejudicando a Dyah, ela ficou frustada e quando minha mãe soube (a Dyah mandou mensagem pra minha irmã pedindo ajuda e minha mãe soube. Minha mãe veio com uma barra de madeira do trabalho dela só pra me sentar o cacete) Pra mim a Dyah fez o certo, eu mereci apanhar. No dia seguinte após esse, minha mãe me fez abrir as minhas pernas na frente das minhas irmãs pra ver se eu ainda era virgem, e se, não tinha feito algo de errado comigo, um dos meus traumas. Minha mãe foi até a escola saber o que tinha acontecido, ela associou um garoto que eu gostava achando que era o bandido, só porque tinha uma foto dele no meu celular, e porque minha irmã do meio falou que uma vez viu ele fumando maconha no banheiro. Eu fui falar com ele sobre o que tinha feito, mas ele não quis me deixar terminar quando eu falei que a mãe dele poderia vir a escola, e acabei acabando com uma amizade. A Dyah ficou muito frustada com isso tudo, mas depois de um tempo essa confusão se ''acalmou''.
Não vou mentir, a Dyah me chamava de problemática algumas vezes, o que não era tão mentira na época, mas também me machucava.
Enfim, indo agora para as drogas. Isso mesmo, drogas. Na verdade, eram medicamentos psicotrópicos, o que poderiam sesão drogas já que eu me apoiava naquilo como um porto seguro, quando os meus problemas estavam me pesando muito. Um dia quando estava no meu quarto, eu fui usar um dos medicamentos, e minha cabeça começou a doer muito. Doía tanto que eu chegava a me debater na cama. Quando estava doendo eu fiquei me debatendo, até que resolvi me levantar e tomar um banho frio, mas adivinha, não resolveu. Depois eu peguei gelo, e pus em minha toalha, colocando a parte que estava com gelo na minha cabeça para a dor ''passar''. Ainda me debatendo, eu não consegui parar a dor, até que eu apaguei. Por conta daquela dor, sempre que eu usava a droga, eu desmaiava, pois da primeira vez que tive a dor, quase tive uma overdose (foi o que me pareceu). Quando eu desmaiava eu não sentia dor, só apagava.
Como um exemplo disso, uma vez eu levei a droga pra escola, e usei com uma amiga minha, vou chamá-la de Nick. Ela não sabia usar direito, e eu sabia o efeito que ia causar nela, então eu usei tudo pra ela não ficar tão mal. Eu falei pra Nick que tinha drogas, e ela quis usar. Mas eu não queria que ela ficasse tonta e depois apagasse no meio da aula, então usei tudo por ela. Quando eu usei a droga, nós estávamos rindo, até que eu vi a cara da Dyah, e meu sorriso se desfez. Eu sabia que eu estava fazendo algo de errado, mas eu não parei. Depois voltei a sorrir, já temendo que eu sofresse uma overdose de verdade agora. No meio da aula, o garoto que eu amava, vou chamá-lo de Coxinha, e outro amigo dele, vou chamá-lo de Cafetão, viram que a Nick estava meio sonolenta, então me pediram pra trazer ela pra perto de nós. Quando eu me levantei minha cabeça começou a dar pontadas de dor, mas eu não liguei. Eu fui pegar a Nick e coloquei ela sentada logo atrás de nós. Quando a aula começou as dores pararam, mas eu estava muito tonta e sonolenta. Eu coloquei meu caderno e meu estojo pra debaixo de minha mesa, e depois coloquei minhas mãos na minha cabeça, tentando ficar acordada...até que eu apaguei. Eu não lembro do que estava acontecendo quando eu estava apagada, mas enquanto estava apagada eu vi minha mãe chorar, e comecei a ouvir a voz do Coxinha e do Cafetão. Eles me ajudaram a levantar e eu fui pra sala perto da diretoria, esperar minha família vir me buscar. Depois desse dia, a Dyah e a Unicórnia começaram a se afastar de mim, mas não foi tão rápido assim.
Um dia, elas simplesmente pararam de falar comigo. Não falaram comigo o por quê de estarem indo embora. Ou o que eu tinha feito. Não me eixaram explicar, apenas foram. Eu insisti tanto, tentei falar com elas, mandar alguns amigos meus perguntarem o motivo delas terem ido embora, mandei carta, tentei falar o assédio que havia sofrido. Mas elas não vieram.
Na verdade, esse assédio aconteceu quando eu tinha 8 anos. Eu comecei a gostar de um garoto quando tinha 8 anos e eu estava no 2 ano nessa época. Eu estava logo atrás do armário de materiais pra artes e afins, e fiquei olhando pra ele sentado na cadeira, por um espaço que tinha lá. Ele chamou a prima dele, e falou algo no ouvido dela. Eu ainda estava sorrindo, pensei que ele mandou a prima dele dizer pra mim algo carinhoso de criança. Mas na verdade, ela veio e falou: '' Carls me pediu pra fazer isso em você'' e mexeu no meu peito. Eu fiquei confusa e depois voltei a olhar pra ele no espaço que tinha ali, nessa hora já não estava mais sorrindo. Depois ela voltou, falou a mesma coisa, e mexeu na minha vagina. Eu cobri meu peito com meus braços, e quando ela foi embora, eu comecei a escorregar pela parede até cair no chão chorando. E aquilo doeu muito. Meu melhor amigo de infância, Ricardo, falou pra professora que eu estava ali. Ela me perguntou o que aconteceu, mas eu não disse nada, porque eu olhei pra aquele garoto, e senti medo e raiva. Eu vi ele sorrindo pra mim. E quando eu falei pra elas sobre o assédio, eu não falei sobre esse garoto. Eu inventei uma história sobre um cara mais velho que na verdade eu nem conhecia. E por quê eu fiz isso? Porque na época que eu falei sobre o assédio, esse mesmo garoto estava me mandando mensagens, e eu estava assustada, ms não conseguia falar pra ninguém, mais um dos meus traumas. Por isso inventei a história e um homem mais velho. Tomara que elas não tenham acreditado, porque eu realmente estava com muito medo na época, e não queria que ninguém acreditasse naquilo. Mas que invés disso, me perguntassem o que realmente acontecendo, só que a vida não é tão boa assim. Quando eu falei sobre o assédio, eu ainda me desculpei por ter parado de falar com elas, sendo que elas que parara de fala comigo. A Unicórnia apenas disse ''Tá bom'', mas eu sabia que nada tinha se resolvido. Um grupo de apoio de adolescentes do colégio veio até nossa sala, e eu quis falar a verdade, ele estavam falando sobre assédio virtual. Eu fui até eles, mas eu só disse ''Quando eu estiver pronta eu posso vir aqui?' eles me disseram sim e eu voltei pra sala. A minha amiga Nick me perguntou se eu falei sobre o assédio, e eu disse que não.
Enfim, eu nunca soube o que era ao certo o motivo delas terem partido da minha vida. Eu achava que eram as drogas, mas até hoje não tenho certeza. Uma vez pedi um amigo meu e da Unicórnia pra perguntar à ela qual foi o real motivo, e ela disse ''Ah ela tava insuportável''. Eu vi o print da conversa. Eu não chorei, não senti raiva, ódio, repúdio, dor e nem nada. Só um vazio de decepção.
Depois de um tempo eu falava delas algumas vezes pros meus amigos, reclamando que elas não tiveram a coragem nem de me dizer o que eu fiz. Mas aí eu parei, e ''esqueci'' tudo.
Hoje em dia, pra mim, elas são apenas lembranças de algo bom e ruim que aconteceu na minha vida. Não gosto da ideia delas terem me deixado sem dizer nada, mas também não as culpo. Elas foram importantes pra mim por um tempo. Eu excluí fotos e vídeos delas do meu celular e das minhas redes sociais, pras não lembrar mais delas, mas ainda as tenho na minha lembrança. Sempre que fico me sentindo triste, com raiva ou vazia, eu escuta a música ''Home'' da Daughter de um vídeo que eu fiz pra Dyah O'Brien. Quando eu fiz esse vídeo, eu fiz pela letra da música, pois eu sabia que ela iria embora, e ia ser breve a sua partia. Não vou por o vídeo aqui pois está com uma foto dela. Mas essa música sempre me acalma, pois lembro do dia que estávamos no segundo pavilhão do colégio, tirando fotos ou apenas conversando esperando nossos pais chegarem. Eu estava deitada no colo dela no banco. Um dos dias mais especiais pra mim. Elas não são uma lembrança ruim, mas também não são uma lembrança boa. Com a partida delas eu amadureci mais, me indireitei, me resolvi com minha família (mais ou menos) e estou querendo um futuro pra mim vida.
Agora depois do apagão que eu tive em 2019, eu nunca mais usei medicamentos psicotrópicos. Eu estou estudando mais, pensando em fazer medicina e virar neuro-cirurgiã, pra ajudar pessoas com problemas iguais ao de minha mãe, ou virar General do exército das Forças Armadas. Quero arrumar um/uma namorada/namorado, que espere eu ter meus 15 anos pra namorar. Que fique comigo por muito tempo, e que respeite minhas decisões sobre sexo, política, religião, família ou qualquer outra coisa. Quero vencer na vida e dar orgulho pra minha família.
Estou juntando dinheiro pra pagar minha faculdade e ter uma boa via morando com minha melhor amiga Emilly.
Mas pra falar a verdade, a Dyah O'Brien e a Unicórnia não me ajudaram a pensar nisso tudo, ou até, a querer mudar. Eu só mudei.
E em relação a aquele garoto do assédio, eu falei poucas e boas pra ele esses dias, pra ele me deixar em paz, e ele finalmente foi embora.
Espero que quem leia a história da minha recuperação se apoie nela, e se ajude a melhorar. Lubixco e for contar minha história, faça dela também como uma história de auto-ajuda. Mas passar bem, e ah antes que eu me esqueça.
Fui babaca em relação a Dyah e a Unicórnia?
submitted by SrtaAnonymouns to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 20:39 gabrielathaysmyname SOU BABACA POR EXPULSAR DA MINHA CASA A NAMORADA MACHISTA DO MEU AMIGO ?

Oi Luba, oi turma, oi gatinhas. Em 2017, eu estava no último ano do ensino médio namorando naquela época com meu atual namorado, estávamos com 2 anos e pouco de namoro. Eis que um garoto novo entra na escola, o nome dele é L. L era um cara muito bacana e diferente dos outros caras, ele era mais tranquilo e reservado, meu namorado e ele, ficaram muito amigos, consequentemente, eu e L também ficamos amigos, e pelo resto do ano formamos uma turma na escola e ficamos juntos. Por mais que L fosse um cara legal, tinha umas amigas um tanto quanto duvidosas, uma delas em específico já tinha tido uma tretinha comigo, mas nada relevante, basicamente ela me respondeu de uma maneira grossa sem nem me conhecer, e eu uma pessoa nem um pouco temperamental, fiquei com rancor. Eis que no meu aniversário de 17 anos, L me chama pra conversar e joga uma notícia bombástica, L disse que estava namorando com uma de suas amigas, chamaremos ela de K. K era a mesma menina que foi grossa comigo sem nem me conhecer. A princípio perguntei se L tinha coco na cabeça, mas ele me afirmou que ela era uma pessoa gente boa e foi só um “deslize”, por fim perguntou se podia trazê-la ao meu aniversário, e eu sempre bem trouxa, deixei. Aconteceu que a menina realmente era legal, e foi só o jeito dela de se expressar que pegou mal, desde então, somos os 4 muito amigos. Hoje em 2020, moro com meu namorado e estamos pra completar 5 anos juntos. L ainda morava com os pais, e a convivência começou a causar muita treta entre L e seus pais. Então perguntei se L não gostaria de morar comigo e com meu namorado até arrumar um apartamento, então L gostou da ideia de veio morar conosco. K, a namorada de L, ainda estão juntos e completando 3 anos. Porém K já não é mais a mesma que se demonstrou ser, hoje ela é uma pessoa extremamente possessiva e dramática com L, do tipo que exclui meninas do Instagram dele porque na explicação dela “são mais bonitas que eu” e não deixa ele falar de nenhuma menina, mesmo que seja algo do tipo a história de uma menina que foi assediada no ônibus e ele apertou as bolas do garoto e expulsou ele do ônibus, a primeira coisa que K perguntou pra L foi “você estava falando com uma menina ?”, mas apesar de tudo, como é o relacionamento dos dois, eu e meu namorado não nos metemos. Só que quando L veio pra cá, K passou a vir pra cá quase todos os dias. Eles brigavam diariamente e ela nos irritava também diariamente, principalmente porque ela é o tipo de pessoa que não te deixa falar, quer se achar melhor que você, ou mais sofrida que você, e a dona da razão claro, fora a questão do título dessa história, que é o fato de K ser bem sexista explicando que o comportamento dela se deve a ser uma menina. (???) Porém, nos últimos dias, K começou a vir pra cá de cara muito fechada e cabeça baixa. Eis que meu namorado me chama pra conversar e me explica o porque dela estar assim. L disse pra meu namorado que K me viu sair do meu banheiro de toalha e achou isso desrespeitoso com o namorado dela, L. Não da nem pra explicar o ódio que eu senti, basicamente K estava dizendo que eu era uma safada por estar saindo de toalha na minha casa, que meu namorado era um corno manso que deixava a namorada fazer esse ultraje, enquanto o namorado dela era um homem com desejos incontroláveis. (Só pra deixar claro, L é uma pessoa muuuuito boa, que jamais pensou isso de mim, K que imagina essas coisas). Fiquei com tanta raiva que chamei L para conversar e disse que não queria que K voltasse a minha casa, até expliquei que se em algum dia ela quisesse ver ele, avisasse pra eu sair e dar uma volta, mas nunca mais gostaria de ter contato com alguém que pensa assim. L ficou muito triste, mas entendeu e foi falar com K. Ela chorou e disse que acharia que eu entenderia, pois é algo de “empatia” não sair de toalha do banheiro com o namorado dela perto. Sou a babaca por expulsar ela da minha casa ?
submitted by gabrielathaysmyname to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 18:57 Jay_pedd Fui Babaca ao "Cabuetar" a Traição da Minha Melhor Amiga para o Namorado Dela?

Olá Luba, Editores, Possível não convidado, E todas as pessoas que estão assistindo a este lindo vídeo.
Preparem-se para a novela mexicana do século:
A história é basicamente a seguinte: Jubileu (meu amigo) gostava da minha melhor amiga a Jubileia, só que ela não gostava dele. Ele se declarou, foi rejeitado e ficou por isso mesmo, mas meses se passaram e por algum milagre do destino ela começou a gostar dele e o pediu em namoro numa saída que tivemos. Mas mal sabíamos que depois desse dia o caos reinaria no nosso grupo de amigos. Nos primeiros dias o namoro deles estavam indo até que bem (mesmo depois do pedido de namoro ela ter ficado uns dias sem dar sinal de vida pra ele, umas duas semanas mais ou menos. Mas tudo realmente começou quando uma parte dos nossos amigos resolveu sair pra dá um rolê na praia e beber depois das provas que aconteceriam no dia. Iríamos ser liberados mais cedo então a maioria do grupo resolveu ir (inclusive eu, mesmo sabendo que não beberia), e o único que não pôde foi o Jubileu.
Eu fui, pois eu não tinha nada para fazer no dia, e também pq eu não confiava muito na Jubileia sozinha bêbada por acontecimentos que presenciei no passado (talvez, se eu não tivesse ido, a situação toda teria sido muito pior) Estávamos em 4, fomos para praia logo depois das provas, andamos muito até chegar lá. No meio do caminho um outro amigo nosso tinha comprado umas bebidas e assim sentamos num canto escondido da praia. Ficamos por lá e nisso as coisas começaram a ficar piores, eles começaram a beber só que de uma forma muito rápida. Não demorou muito para que minha melhor amiga ficasse bêbada junto com uma outra amiga nossa que estava lá, uma das melhores amigas do Jubileu (vou chama-la de Karen) De uma hora para a outra, ambas as bêbadas começaram a ficar com um fogo no rabo inacreditável e se beijaram, foi algo rápido mas não era certo. Eu até tentei impedir mas eu não consegui. Nisso foi de mal a pior, eles começaram dançar, eu tava com o celular da Karen, quando aleatoriamente eles quiseram enviar áudio para o nosso amigo Jubileu que não pôde ir no rolê, eu achei que seria algo divertido então eu permiti (mas uma coisa eu digo, NUNCA deixem bêbados com celulares). Eles começaram a mandar, mas a situação foi ficando complicada, pq a Jubileia começou a falar coisas um tanto desagradáveis e desnecessárias que machucariam o Jubileu. Então tomei o celular das mãos deles, mandei os áudios pra minha conversa e as excluí do PV dele pois ainda não tinha sido visualizado.
Bom, depois disso Karen começou a se pegar forte com o outro amigo que estava lá presente ( "se pegar forte" é um baita de um eufemismo) e a Jubileia queria entrar no meio pra participar também mas eu não deixei, (Jubileu já podia ter galhos de chifre mas não vamo fazer ele crescer mais ne). Resumindo: ela quase tentou me beijar, mas consegui desviar o assunto e fiz ela ficar deitada no meu ombro enquanto ela falava coisas e acabava chorando. O outro garoto que estava conosco perdeu seu óculos literalmente novo quando ele foi dar um banho de mar na Karen (que estava totalmente bêbada) pra acorda-lá, saí com uma mordida no braço que ficou inchado e roxo por não deixar mais ela se pegar com o cara, até pq ele não tava no clima (nem eu estaria mais no clima depois de perder meu óculos que tinha ganhado a poucos dias e com Jubileu corno). Cheguei em casa acabada e não sabia o que fazer, tinha os áudios e a situação que tinha acontecido não saia de minha mente. No fim não aguentei, eu não sabia como olharia na cara dele de novo se não contasse isso (saber da traição de uma pessoa que tá do seu lado todo dia e não contar pra ela é foda) e acabei contando tudo pra ele e mostrando os áudios, logo depois de contar recebi uma mensagem da Jubileia dizendo pra mim não contar, disse pra ela que já havia contado e ela disse que seria culpa minha se o namoro dela acabasse, só que o timing foi muito merda pois nesse percurso de tempo que ela me mandou isso, o Jubileu tava mandando mensagens pra ela por conta do ocorrido (conversa abaixo). Fora que no dia seguinte, ainda teria aula. Ficou um clima de merda no nosso grupo de amigos, pois meu Jubileu tinha sido chifrado pela a sua namorada (agora ex) Jubileia em menos de um mês de namoro junto com Karen, a melhor amiga dele, que por sinal ficou do lado da Jubileia e não dele. O clima do grupo ficou uma merda, tava todo mundo separado. Uma galera tava com ela enquanto umas outras pessoas tava com ele (inclusive eu pois ela não queria olhar na minha cara e eu não tinha coragem de olhar na dela) e ficou assim por um tempo até a poeira abaixar.
ps: se passou um tempo do término deles e descobrimos em outra saída que tivemos (de bebida por sinal) que ela estava com ele por pura carência e não gostava dele de verdade. Eu dnv contei pra ele, pois a Jubileia havia terminado com ele sem nenhuma explicação (sim, msm depois tudo isso, foi ela quem terminou o relacionamento), e eu sentia que ele merecia uma então acabei contando mesmo estando receosa com a situação. (Já tava tudo uma merda mesmo, o que é um peido pra quem tá cagado) Ele por sua vez ficou putasso por ela tê-lo feito de trouxa e mandou para ela o conteúdo dos prints em anexo.
Conversa por Whatapp transcrita do Jubileu e Jubileia essa treta:
Jubileia: Vou dormir Jubileia: Boa noite Jubileu: N Jubileu: Vou te falar uma coisa Jubileu: Eu ouvi muita coisa q n queria ouvir, mas sinceramente eu ja me importei mais. Só q o q mais fode com tudo é n ter ouvido de ti Jubileu: Era só isso q eu queria Jubileia: Eu preciso realmente dormir agora Jubileu: N faz mais merda, é a última coisa q eu te peço. N quero ficar perto de ti, pq sempre q fiz isso eu me machuquei. Se tiver um pingo de consideração por mim, o que é difícil, só vai pra longe da minha vista, pq eu n sei se tu sabe, mas a sensação que eu tenho ao te ver é horrível, me sinto horrível e isso é uma tortura, uma tortura imensa pra mim. Eu te odeio, e me odeio acima de tudo, e desde aquele dia eu só venho piorando, se acha q é a única q tá na merda, tá enganada. Obrigado por começar isso Jubileu: E a **** -narradora- n tem culpa de nada, vai ser muita covardia da tua parte se vc acabar com a amizade por isso, pq ao contrário dos seus conceitos conturbados, ela realmente se importa contigo
E aí luva, fui a babaca da história por ter contado ao meu amigo chifrudo o trágico acontecimento do dia da praia?
View Poll
submitted by Jay_pedd to TurmaFeira [link] [comments]


2020.06.06 13:23 _Emiko_ A Atriz

Olá Luba, editores, gatas, papelões mortos (F) e possíveis convidados e turma que está a ver
é minha primeira vez postando uma história aqui, criei um perfil no reddit pra isso, então peço desculpas por erros ou algo sem sentido, A história é meio grandinha
Hoje irei contar a história de uma pessoinha maravilhosa, vou dar o nome de R antes de contar a história do ano passado, você precisa entender o histórico dessa pessoinha comigo
tudo começou no ano de 2016, quando eu brinquei com ela em relação ao seu crush ( não lembro o que disse de verdade) até ela ficar puta e me bater na quadra, a aula era de Ensino Religioso, tava todo mundo num terreno perto da quadra, sem o diretor saber. Minha mãe foi chamada na escola grávida e quase foi atrás da menina
em 2017 foi minha vez de fazer merda, onde ela postou no grupo da sala uma foto fazendo bico, e eu chamei ela de galinha (por causa do biquinho dela) e todo mundo ficou contra mim, porque era tudo baba ovo postei num aplicativo de meme essa conversa que chamei ela de galinha e sem querer não borrei o número (sim eu sou sonsa) , e ela começou a receber varias mensagens de gente aleatória, fui chamada na coordenação da escola, mas nada aconteceu comigo
e ano passado, eu e meus amigos Anjo, Betina, Iris e (mais gente só que não me lembro muito kkkkk) estávamos jogando verdade e desafio, e do nada a R entrou pra jogar, e chegou uma hora que parou em mim e ela, ela pergunto "verdade ou desafio?" obviamente eu disse verdade ai ela pediu um segredo meu pra Anjo (que é minha melhor amiga e sabe de muita coisa essa santa do mal) a Anjo por impulso, disse que eu ja gostei de uma outra amiga minha, a Ema, em 2018, e essa Ema também era amiga da R A R então, com seu bico de galinha, foi tirar satisfação com a Ema, porém esse "tirar satisfação" dela durou quase o ano todo de 2019, o que a R estava fazendo de verdade, era enchendo o saco da Ema, dizendo que devia se afastar de mim, porque eu sou nojenta (por ser lésbica) e aqueles negócio que deus não aceita homossexual e blablabla (sendo q a Ema é agnóstica kkkk) e ela tava dizendo que eu ainda gostava dela, e ela também tava falando mal da minha namorada (ex atualmente) Soube disso através da própria Ema, que me perguntou se eu realmente gostava dela, e ai ela me disse o que a R havia contado pra ela quase a metade do ano todo
então, bolei um plano pra expor essa vaca teve um dia na aula de português, que era ""vaga"" (porque o professor é muito gente boa e deixou a gente conversar) Onde a Anjo disse pro professor ter ouvido a R falando meu nome numa conversa entre os meninos, (que são um bando de filho da put*, mas isso deixo pra outra história) Foi ai que eu aproveitei da Anjo brigando com o professor e a R que eu cheguei e falei
(prepare-se para um dialogo mal feito)
Eu: Garota quem você acha que é pra falar de mim pelas costas??? homofóbica ela me olhou sem entender nada e perguntou R: do que que ce ta falando menina???
Eu: To falando de tudo que você falou de mim pra Ema, que eu sou nojenta porque sou lésbica, e que ela devia se afastar de mim porque sou errada, né?
R: Eu nunca disse isso (ela começa a fingir choro)
Eu: Vai me dizer que a Ema ta inventando então sua vagabund*???, minha namorada com problema de saúde e você aqui me xingando e dizendo que sou nojenta e falando mal dela também?? Que eu saiba sua religião prega respeito não importa quem seja, fala que eu vou pro inferno por ser lesbica, mas você tembém vai por desrespeitar as pessoas!
ai ela começa a ficar desesperada e gritar "eu não disse nada disso!!" e sai da sala fingindo um choro, enquanto todo mundo olhava pra mim e pra Anjo com a cara "mano que que aconteceu aqui velho????" foi nesse dia, que todo mundo percebeu o quão escrota é a R e começaram a se afastar dela ela perdeu seu lugar de rainha na sala, pra ganhar o de homofóbica
é isso lubinha <3, criei esse perfil no reddit só pra postar as histórias aqui :3 um bj seu lindo, e desculpa pelos xingamentos :( (ainda espero ter um amigo gay igual ao luba :()
submitted by _Emiko_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.23 17:40 Vitor_Lenon Sou babaca por me apaixonar pela namorada do meu melhor amigo e fazer eles terminarem ?

Ola Luba, editores, bonecos de papelão e seus restos mortais, possivel convidado (ninguém quer visitar o Luba além do Jean ) e turma que está a ver.
Minha historia meses depos de terminar um namoro com minha primeira namorada que durou 3 anos, depos 5 ou 6 meses eu continuava mal e perdido, não sabia oque fazer, até que meu melhor amigo (irei chama-lo de Cristofe) não gostando de me ver nessa situação diz que vai me apresentar a irmã da namorada dele, ela tinha acabado de sair de um relacionamento abusivo e achava que nós dois poderiamos dá certo, e que assim ele não precisaria ir na casa de sua namorada sozinho ja que lá era um lugar bastante perigoso e diz minha " namorada se chama Ja... e a irmã se chama Je..." (infelizmente tenho déficit de atenção e ambos os nomes na minha cabeça eram bastante parecidos), e também me disse que ambas faziam um curso na mesma sala que eu, depôs dele insistir bastante eu aceito.
Nota: Cristofe é meu amigo há 6 anos e namorava ela a alguns meses, eles moravam em cidades diferentes então pouco se viam, mesmo dizendo que a amava vivia fazendo piadas de mal gosto sofre algumas "frescuras de sua namorada" e fala coisas tipo de que era doido para ficar com a ex de um amigo nosso e dizendo que ele mesmo tendo amado ela, não deveria se importar por ser ex, e uma hora ou outra ela ia arranjar alguém, que pelo menos fosse um amigo.
No outro dia chegando no curso, sou recebido por uma garota que se apresenta como Je, ela era uma menina que falava muito, gostava de festas e sair para... e diz que ja tinha ouvido falar de mim pelo Cristofé e que ja estava esperando, em seguida ela me apresenta sua irmã, a Ja, Ja era quase oposto de Je, era tímida, não era de muitas palavras e prestava atenção em todas as aulas, como não lembrava quem era quem, deduzi que Je seria a namorada do meu amigo e Ja seria a garota que eu deveria conhecer, para completar, Je me disse que Ja tinha saído de um relacionamento complicado e o ex dela foi babaca.
Então após fazer amizade com Je, fui sentar ao lado de Ja, me apresentei e disse que queria ser seu amigo, ela então me olha com um olhar triste, pega os fones e me ignora, eu preocupado ao ver ela triste resolvo soltar piadas no ar, falando coisas engraças a pessoas perto dela para que ela ouvisse, mas simplesmente sou ignorado, até que ela retira os fones, me olha e diz "você não vai copiar?" Nesse momento havia desisto e resolvi ser sincero e disse "desculpa, comecei a fazer graças e contar piadas pq você parecia triste e eu queria te animar, queria me aproximar de você, quem sabe seu amigo mas entendo que quer ficar sozinha, irei lhe deixar em paz e estudar em outro canto da sala" então quando ia me levantar, ela segura meu braço e diz "Fica" me conta os motivos de sua tristeza e disse que não era feliz (também revela que os fones nem prestavam e que minhas piadas eram péssimas mas isso não vem ao caso).
Dias e meses se passaram e eu e Ja estavamos cada vez mais próximos, finalmente me sentir com alguém e finalmente ela mostrou quem era de verdade, uma garota alegre, engraçada e muito divertida, fazíamos tudo juntos e as vezes Je vinha junto mas tinha bastante ciúmes de nossa amizade, então meu amigo Cristofe pergunta como estão as coisas, então lhe digo que estou apaixonado e muito feliz, e que pretendia me declarar a ela, e para nós comemorarmos isso resolvemos marca uma pizza, me resolvo me arrumar, vestir minha melhor roupa, chegando lá os 3 estão me esperando sentandos em uma mesa, então, Cristofe se levanta e me apresenta JA como sua namorada e me revela que JE é a irmã, ele sem saber da confusão que eu fiz de nomes, diz que eu tenho algo a dizer para JE, então acabo me declarando a ela, com palavras que só a Ja entendia, o fiz e Je, talvez confusa ou por carência, simplesmente aceito, e passei aquela terrível noite com a irmã da menina que eu amava, e vendo a mesma beijando meu melhor amigo.
Algumas semanas se passam e sou apresentado como namorado de Je em sua casa, e começo a frequentar a mesma ao lado de Cristofe, mesmo ficando com Je, Ja e eu sempre nos isolavamos de Cristofe e Je para conversar e rir de nossas piadas bestas, Je talvez percebendo tudo oque está acontecendo manda eu me afastar de Ja apartir de agora, dizendo que ela não ia precisar de minha amizade e se aproximaria mais de Cristofe, e eu apenas estava atrapalhando, Ja ouve isso e me pede para não a deixar, sem saber oque fazer e confuso, eu me levanto e vou embora, Ja me acompanha, neste momento Je diz que se eu não fizer oque ela manda, vai está tudo acabado entre a gente, e que ela pagaria um de meus amigos para me deixar mal, eu digo que poderia fazer o mesmo e ela diz "Ja é minha única amiga, ela NUNCA trocaria o Cristofe por você" após ouvir isso, sem hesitar vou embora, me sentindo no fundo, caindo na realidade que meu amor por nada mais era que uma besteira, resolvo fazer algo que nunca havia feito antes, beber, com meio copo, Já estava tonto, resolvo me deitar.
Após me deitar tive a brilhante idéia de "Já que nunca vou ficar com a Ja e guardar isso só para mim está me matando, serei honesto com ela e me afastarei" mando a seguinte mensagem "Ja...não sei como lhe explicar, porém oque sinto por você não para controlar, eu te amo Ja... e sei que isso é um amor proibido ja que você namora meu melhor amigo, me perdoe, mas não quero ser uma pedra no caminho de sua felicidade, obrigado por tudo, adeus", Ja não costumava responder rápido, mas nesta noite por algum motivo ela viu, e disse "eu te amo, eu nunca senti nada pelo Cristofe, apenas aceitei namorar ele pq ele me pediu na frente de toda a minha família, e como nossas familias são muito amigas e por medo de decepcionar meus pais, eu resolvi aceitar, mas não sou feliz" eu sem entender direito tudo oque tava acontecendo, fico surpreso, mas digo que não poderiamos ficar, pois eu odeio traição, e namorar seria difícil, pq o pai dela me odeia e ja havia me ameaçado por deixar a Je além de amar o Cristofe, ele me vendo com a Ja só faria o ódio dele aumentar, então mostrando como séria impossível ficarmos juntos, digo para ela buscar a felicidade e oque a fizesse feliz, paramos de nos falar por um tempo e Cristofe vêm falar comigo muito triste, dizendo que Ja havia terminado o namoro, e que não era feliz, na hora me senti culpado, mas feliz por minha amiga.
Cristofe então me pede conselhos, qualquer coisa para ajudar a reconquistar Ja, então com uma enorme dor no peito eu digo "me desculpa, eu amo a Ja, não poderia ter ajudar" Cristofe então triste e surpreso me pergunta se eu ja havia ficado com Ja, e eu digo que não, depôs ele me pergunta se a felicidade dela fosse eu, se eu aceitaria ficar com ela, então eu lembro do que ele dizia a nosso amigo e digo "sim, você nem deveria se importa, ela é sua ex, e se ela for ficar com alguém melhor um amigo, certo ?" Cristofe então apenas ri e diz "ok, vamos da um tempo em nossa amizade, ambos a amamos então aquele que ela escolher para faze-la feliz e ficar com ela, o outro deve se afastar e não sair mais como o casal" mesmo por dentro que por fora eu dizia que ja havia desistido, por fora ainda havia esperança.
Alguns meses sem falar com Ja, sua irmã Je me chama até sua casa, para me apresentar seu namorado, um outro amigo meu que ela havia dito que namoraria e disse que eles eram um casal muito feliz, eu lhes dou parabéns e eles se convidam a ir a minha casa, e Ja é obrigada a ir por seus pais para reparar Je, então deixamos o casal ir na frente e Ja me trata friamente, ignorando e me deixando falar sozinho, chegando em casa, o "casal feliz" tem uma briga feia e pedem privacidade do quarto para eu e Ja, vamos para frente de casa e ela fala que ódio o fato que eu me afastei dela, começamos a nós falar denovo, até que falamos de pessoas que gostamos no passado e que nunca fizemos nada, então eu digo para ela tentar com alguém que a fizesse bem, ela coloca uma música, fecha meus olhos e me beija, depôs disso, eu e Ja começamos a ficar escondido. Se quiser saber oque acontece quando e Je descobre com o final em prints ai já é outra historia.
Eu sou babaca ?
submitted by Vitor_Lenon to TurmaFeira [link] [comments]


2020.04.11 22:47 ehmuidifici Levei um tiro na cabeça

Comigo foi um pouco diferente. Primeiro o estalo do tiro, e em seguida, um clarão. Tudo ficou branco e eu só escutava um zumbido, agudo, e bem alto. Parecia que eu caia pra trás em câmera lenta, enquanto tentava entender o que tinha acontecido. E apesar de terem me dito que eu nem fechei os olhos, esse momento parecia ter rolado em câmera lenta, enquanto eu caía. O susto. O clarão. O zumbido. Ficou tudo branco. Bem claro, nao via nada, só branco. Foi como que uma experiência pra fora do corpo, sei lá. Eu estava lá no restaurante, sentado, almoçando, bem tranquilo, comendo. Com a boca cheia de brócolis, e de repente eu não estava mais lá. De repente, eu estava em outro lugar, e era tudo branco, vazio, e eu só escutava o zumbido e só enxergava o clarão. E enquanto eu caia, dei por mim que tinha levado um tiro. A voz na minha cabeça disse algo como "Eita cacete, o que foi isso? EITA LEVEI UM TIRO! MERMÃO LEVEI UM TIRO NA CABEÇA". "MORRI.", pensei. Tive certeza de que ia morrer. Ou que já tinha morrido. Já estava morto e estava em outro lugar. Nem senti dor nem nada nesse primeiro momento, e achei até que o clarão era a luz no fim do túnel que veio com tudo e meio que me atropelou ou algo assim, não sei "Morri.", pensei. E nesse instante eu não tava triste, com raiva, chateado, nem nada. Estava surpreso e curioso, juro, curioso, querendo saber o que vinha em seguida, se é que vinha alguma coisa. Morri. E agora? O que vem depois?. Tinha certeza que tinha morrido, ou que nem ia abrir os olhos e ver mais nada.
De repente abro o olho, todos os clientes do restaurante saíram correndo, o ladrão também, e só estava minha namorada lá, em cima de mim, olhando pra mim.
De repente comecei a sentir. Não dava pra saber exatamente onde é que a bala daquele revólver .38 tinha me acertado, a sensação era a de que toda a minha cara estivesse virado do avesso, ou como se alguém tivesse pego uma picareta e acertado em cheio na minha cara, com tudo, e a picareta ainda estivesse lá. Me mandaram não me mexer, e eu não me mexi.
Não me mexi, nem falei nada, mas sentia o sangue grosso, quente e escorrendo pelo meu olho, nariz e garganta, com força, como se uma mangueira estivesse aberta dentro da minha cabeça. Lembro até hoje do gosto de sangue e brócolis. Sentia sangue escorrendo pelo meu olho, pelo buraco do projétil, pelo meu nariz, pela minha garganta, pelo meu ouvido, por tudo, e pela quantidade de sangue que eu perdia, e ainda sem saber aonde a bala tinha atingido, ainda tinha certeza de que eu ia morrer, ali. Aquele tanto de sangue, aquela situação, Aquela cena de filme mesmo, surreal, pesadíssima. Sangue e dramaz só.
Achei que eu fosse apagar, e não apaguei. A primeira coisa que eu disse foi "aonde acertou?' e ela me disse que tinha sido no nariz e de raspão.
"De raspão", pensei, e quase ri. Eu sabia que tinha sido na minha cara. Eu sabia que tinha me acertado em cheio. Estava tudo meio dormente, todo meu lado direito do rosto, e eu tinha certeza de que a bala ainda estava ali. E era muito sangue, e estava ficando cada vez mais difícil respirar, então pedi pra ela tirar a comida com sangue que estava dentro da minha boca. Brócolis e sangue. Muito sangue. MUUUITO SANGUE. Eu nunca tinha visto tanto sangue na minha vida e acho que ninguém que estava vendo aquela cena tinha visto tanto sangue também.
Olhei aquela poça de sangue. Aí que do nada apareceu uma aluna do último semestre de medicina, que por acaso do destino também estava ali almoçando no mesmo restaurante (isso aconteceu ao lado de uma universidade federal) e pediu um pano e pressionou por onde a bala entrou, tentando estancar qualquer coisa. Mas a maior parte do sangue escorria era por dentro.
Pensei que eu fosse apagar, por estar perdendo todo aquele sangue, e simplesmente morrer, ali mesmo, e bem rápido. Na porta do restaurante , amigos, conhecidos e outros clientes do restaurante todos em choque, todos em desespero, ligando pro SAMU (ambulância) , discutindo sobre quem tinha carro pra me levar pro hospital e coisas assim, e dentro do restaurante, eu, jogado no chão, em cima de uma poça enorme de sangue, minha namorada e a moça lá, já quase médica, que por milagre também estava almoçando lá, mas que infelizmente não podiam fazer muita coisa por mim naquela situação. Só esperar.
Escuto que chamaram o SAMU e que ele estava a caminho. Era 12:30, horário de pico, e essa cidade tem um dos 3 piores trânsitos do Brasil.
Morri, pensei. Morri. Ali. Morri esperando o SAMU chegar. Era muito sangue, e não parava de jorrar. Pensei no trauma que seria pra minha namorada, morrer ali, na frente dela, vítima de um assalto, de algum ladrãozinho muito doido que veio roubar meu celular e na hora de sacar a arma já disparou, de nervoso ou de sei lá o que, e me acertou em cheio, a queima roupa. Morri. Tinha certeza de que ia morrer ali e não havia mais nada que eu pudesse fazer. Certeza.
Pensei nela, pensei também na minha mãe, pensei na dona do restaurante, pensei no trauma que seria pra todas aquelas pessoas que estavam ali e saíram correndo, eu morrer ali, na frente delas. Nem pensei muito em morrer, pq até então eu ainda tinha certeza de que sobre a morte eu não tinha nada mais o que fazer.
E aí o corpo começou a doer. Não tanto onde o tiro acertou, mas os ossos, da posição que eu estava no chão. Perguntei se eu podia me mexer, disseram que não. Tentei me segurar por uns instantes, mas a agonia era tanta que a vontade era de levantar e sentar em uma cadeira. Me mexi, apoiando os braços assim, pra mudar de posição e virar de lado, e vi o tamanho da poça de sangue que se formava debaixo de mim. Um sangue grosso, escuro, denso. E ver aquela quantidade absurda de sangue (sério, esguichava do meu olho, coisa de filme do Tarantino ou algo assim) e só me deu mais certeza de que eu ia morrer, ali. Esperando o SAMU chegar. Jogado no chão, sentindo gosto de sangue e de brócolis.
E então a dor veio, e era meu rosto todo queimado de polvora, meu olho, meu nariz, tudo. O buraco da bala queimava, doía. A bala acertou meu maxilar, entre o olho direito e o nariz, região naso-orbital, bem aonde fica as borrachinhas dos oculos, sabe? Bem ali, entre o olho e o nariz. E era uma dor de osso quebrado, a sensação era a de que a minha cabeça tinha virado do avesso. Ver todo aquele sangue e sentir essa dor começou a me levar pra um desespero.
Senti frio pelo corpo todo, de arrepiar. "É agora", pensei. Senti uma fraqueza, pensei: "Vou desmaiar." Desmaiar e morrer.E a dor. Toda aquela dor. Até então acho que eu estava relativamente calmo, mas nesse momento foi como se o jogo tivesse dado uma virada. Alguma coisa dentro de mim deu uma chacoalhada e disse que nao. Minha namorada disse pra eu continuar acordado, continuar com ela, que ela não ia me deixar ir embora não. Com o frio e a fraqueza, reagi. Disse "tá doendo muito, vou gritar" , e nem era tanta dor, era só uma vontade súbita de reagir. Comecei a urrar, fingindo que era dor, mas era de desespero. Uma reação pra não apagar ou algo assim. Um fôlego e uma vontade de gritar. Gritei. Acho que funcionou.
Foram uns 20 minutos, e a ambulância chegou. Pelo local de entrada do projétil, decidiram que teriam que me levar pra um hospital com neurocirurgião de plantão. "Tô na merda", pensei. Me amarraram numa maca, colocaram um colar cervical, e me colocaram dentro da ambulância. O hospital era no centro da cidade, a uns 10km de onde eu estava. "Pronto, vou morrer numa ambulância dentro do engarrafamento". Na ambulância, só me deram soro. A dor aumentava, e acho que me deram dipirona sódica ou algo assim. Exatamente, desses que a gente toma pra dor de cabeça. A ambulância chacoalhava pra todos os lados, e pra não cair da maca ou algo assim, me mandaram eu me segurar. Nesse momento, percebi que todos na ambulância estavam relativamente calmos, (menos o motorista), e pela primeira vez passou pela minha cabeça que eu talvez não fosse morrer naquele dia ali não.
Minha garganta queimava de sangue seco e de mais sangue que descia. Trocaram o pano por uma gaze pra estancar o sangramento externo, mas era sangue demais. Me deram soro, e só. Fechei o olho e tentei me acalmar, mas acho que se eu desmaiasse ali e morresse estava tudo bem, estava calmo,e não tinha nada que eu pudesse fazee e eu não tinha muita esperanca de que pudesse sair dessa. Até que…
Chego no hospital, me tiram da ambulância naquela correria, e eu vejo aquele hospital público do SUS com o teto todo caindo aos pedaços, e em volta, aquela zona de guerra que só existe em hospitais públicos de trauma das grandes Metrópoles brasileiras: gente espalhada pra todo lado, nas macas, nas cadeiras, no chão. A enfermeira do SAMU me leva pra sala de emergência, zona vermelha, e me entregam pro hospital. Nesse momento um dos enfermeiros dos hospital diz que não tem gaze, não tem luva, e me pede que eu segure a que está toda ensanguentada, ali, eu mesmo. "Vou morrer aqui nesse hospital", pensei. Tem nem gaze, tem nem luva. Fodeu.
O que se passou depois foram os piores momentos da minha vida. Engasgando em sangue, morrendo de sede, de dor,de agonia e desespero. Me afogando no meu próprio sangue, enquanto nada acontecia. Hospital lotado. Mais de hora pra conseguir uma tomografia. Sai a tomografia e perguntam "quem é Isaac", ao que eu respondo levantando a mão. A pessoa responde "não, é outro, esse aqui ou tá morto ou tetraplégico e você tá aí levantando a mão". Outro médico ou enfermeiro responde baixinho dizendo que sou eu mesmo, ao que o outro vem pra perto de mim, me dá uma olhada e diz "vixe, amigo, te contar que ninguém vai tirar essa bala daí não…" Descobrem que a bala está na C1, fraturou a vértebra, a primeira da cervical, logo na base do crânio, e que ninguém sabe porque milagre o afetou a medula e eu não tive uma lesão neurológica.
Horas e horas se passam, eu gritando no hospital pra ver se eles faziam alguma coisa. Na minha cabeça, seria alguma coisa de filme, de seriado, sei lá, iam me dopar e eu ia apagar e se fosse pra morrer, morria, se fosse pra sobreviver eu só ia saber no dia seguinte, mas não foi assim não. Nesse ponto eu tinha decidido que se fosse pra morrer eu não ia morrer fácil não. Já tinha chegado até ali. Tirei força não sei de onde. Daí costuraram meu nariz. "Tamponamento", o nome. Jogaram umas gaze com uma pomada dentro do meu nariz e costuraram, pra ver se o sangramento diminuía. Tudo bem rápido, sem tempo da anestesia pegar, costuraram todo meu nariz e me deixaram lá.
Talvez realmente não houvesse muito o que fazer, a sala de cirurgia estivesse cheia e com casos piores, na frente, na fila, não sei. Mas era muita dor, muita agonia e muito desespero pra que eu conseguisse ficar quieto, e a sensação de que se eu me acalmasse eu ia desmaiar, apagar e morrer. Gritava, pedia que fizessem alguma coisa, não suportava a situação de estar lá, daquele jeito, e simplesmente ninguém estar fazendo mais nada. Eu estava me afogando no meu próprio sangue, cuspindo o que conseguia, sem conseguir respirar. A garganta rasgando de sangue seco, uma dor insuportável e a sensação de que eu estava à beira da morte e que alguém precisava fazer algo rápido, senão minhas chances iam acabar bem rápido.
Não gostaram muito da minha reação e me amarraram na maca pra com uns lençóis, uns panos, meus braço e minhas pernas. Acho que pra aver se eu ficava quieto e parava de gritar e de reclamar. Mas não adiantou muito não Gritava de dor. Pedia que fizessem alguma coisa, nem que fosse me dar um remédio pra eu apagar e aquele inferno acabar. Gritava. Urrava. Agonizava. Fiquei meio puto até com o universo que estava me fazendo passar por aquilo tudo ao invés de me levar embora de uma vez. Parecia que nenhum médico queria mexer comigo, que eu não tinha jeito, que iam me deixar ali daquele jeito mesmo. Sei lá. Eu queria que fizessem alguma coisa sou que eu morrer logo de uma vez, sei lá. Só queria que aquilo tudo acabasse de uma vez. Não estava aguentando não. Já tinha passado dos meus limites fazia era tempo.
Na hora eu perdi completamente a noção de tempo, e as 17:10(dei entrada no hospital umas 13:10), ou seja, depois de umas 4h agonizando e berrando na emergência, me levaram pro bloco de cirurgia. Chegando lá, um médico disse que ia ficar tudo bem, reclamou com alguém que naquela situação eu deveria ter sido entubado logo ao chegar no hospital, e me disse pra me acalmar que agora eles iam cuidar de mim. Me disse que ia me dar uma anestesia (eu ouvi fentanyl) e que eu ia apagar por uns 30 minutos e eu pensei "nossa finalmente vão me apagar pq se for pra morrer pelo menos eu pelo menos morro em paz" e senti tudo apagando, tudo ficando leve e tudo ficando escuro, bem rspido, sem ligar muito se eu ia acordar de novo ou não, mas enfim em paz pq pelo menos eu ia parar de sentir tudo aquilo que eu estava sentindo. E funcionou.Eram 17:15 da tarde. Ele disse 30 minutos. Acordei no dia seguinte, 9:30 da manhã. A enfermeira olha para mim e num instante, começa a retirar parte de sua face, revelando ser uma máscara de borracha, dando início a era das máquinas.
submitted by ehmuidifici to brasilivre [link] [comments]


2020.02.06 00:17 Tinyze Não vou mais trabalhar com um colega, e não estou sabendo lidar

Como sempre, uso esse espaço para dar uma desabafada sobre o mesmo assunto, basicamente. Desta vez acho que escrevi bastante, mas como não tenho ninguém para falar sobre, acho que serviu pra aliviar a angustia. kkkk

Um cara entrou pra me auxiliar no trabalho faz quase um ano já. A gente ficou muito próximo ao longo do tempo. Durante vários messes, passamos o dia um ao lado do outro, resolvendo os problemas juntos e um ajudando muito um ao outro.
No meio de muitos pensamentos confusos de minha parte (um misto gigante e complicado de atração, culpa, carinho, amizade, ciúme, inveja, admiração que até hoje não sei entender muito bem), nossa relação virou uma amizade dentro e fora do trabalho. Pra mim ela foi tão boa, que chegou no nível de querer que a segunda chegasse logo, durante o final de semana, pra gente se ver logo.
Pois bem, a empresa foi vendida e com isso chegaram as mudanças. Antes a gente fazia várias coisas em diferentes áreas da empresa, e uma dessas mudanças foi que, logicamente, cada área “ficaria no seu quadrado”. Seguindo a formação dele, ele ficou mais com a área de TI, e eu com a área de gestão da produção. Não teve uma grande pressão pra gente encerrar os laços de trabalho, mas com o tempo, cada um está ficando mais na sua área.
Eu poderia ter ficado na área de TI (inclusive tive a oportunidade de escolher). E pensei e ainda penso muito em fazer isso, obviamente pra gente continuar a trabalhar junto. Mas existem dois fatores que me fizeram pensar logicamente sobre isso:

1) Não é minha área de estudo. Apesar de não ter pago minha faculdade, precisaria me especializar na área de TI, e usar mais um bom tempo da vida pra isso.
2) Imagino (e espero muito, mas muito mesmo não estar errado) que focar na área para qual estudei representa melhores oportunidades para mim à longo prazo.

De qualquer modo, ainda continuamos trabalhando juntos, mas cada um migrando para o seu canto. Nesse meio tempo perguntei para o meu chefe se existiria algum lugar pra mim na equipe, se tinha planos e se ele achava que compensaria mais ficar na minha área ou na de TI. Ele prontamente falou que vai precisar muito de mim e que eu seria o braço direito dele.
Mas de qualquer forma, apesar de ter um “””norte””” e de tentar me animar com essse feedback, estou bem desanimado e desorientado.
Antes de ele viajar pra receber treinamento na área dele, agradeci pelo tempo que estávamos juntos, por tudo que ele me ajudou e me ensinou, e falei que esperava continuar amigo dele. Ele agradeceu também, não fez muito contato visual, e falou que acreditaria que a gente ainda ia continuar a fazer algumas coisas juntos ali, e esperava não perder o contato.

Nesses últimos dias venho sentindo uma melancolia que é quase algo bom de sentir, sei lá. Eu tenho lembrado muito do tempo que a gente passou junto. Como não temos lugar específico, dividimos uma mesa em uma sala, um ao lado do outro.
Lá a gente conversou muito e demos muita risada. Passamos boa parte de alguns dias enrolando e vendo coisas pra comprar, casas para alugar. Inclusive fizemos planos de morar juntos eu, ele a namorada (por razões óbvias nunca tentei levar isso a frente). Um desabafava com o outro, um ouvia o outro. Debatíamos sobre as questões da vida, sociedade e filosofias baratas. Peguei muita dica de moda com ele e compramos algumas roupas juntos pela internet. Aprendi bastante coisa da vida com ele, principalmente referente à assuntos burocráticos, e acho que ele aprendeu algo comigo também.
No meio disso tudo, era tão bom ficar perto dele. Chegar bem perto para ver algo no notebook e sentir o cheiro doce que ele tem. Eventualmente encostar na pele dele pra sentir a espinha nova que tinha acabo de brotar no seu rosto. Tocar no braço pra pedir a sua atenção antes de eu falar algo. As vezes até tocar no cabelo liso e sedoso que ele tem quando ele chegava perto o suficiente.
Enfim, dentro e fora dessa sala sempre foi bom admirar ele. Foi e é bom achar ele gostoso para um caralho e de maneira sútil elogiar ele de alguma maneira. Acho que acima de tudo eu, com minha autoestima baixíssima, sempre gostei de me sentir relevante frente à personalidade levemente narcisista que ele tem.
Eu acho que nunca senti nada por ninguém. Então por isso essa novidade tem sido tão estranha pra mim.
De qualquer modo, sinto muito que esse contato diário vai se perder quase por completo, com cada um focado na sua área. E o foda que eu tô sentindo muito isso e com medo de que a nossa amizade se vá também.
Eu acho que sempre vou gostar de guardar um momento em específico para mim em relação a ele, que me fez pensar como pequenos momentos de prazer fazem uma diferença imensa no dia:
Estávamos na sala, sozinhos como quase sempre. Estava bem friozinho chovendo e tinha um copo de café que dividíamos (a gente sempre fazia isso) e que estava muito cheiroso. Nosso trabalho estava vencido e nosso chefe estava em uma viagem. Alguns dias antes, eu havia mostrado algumas músicas do Johnny Cash para ele e no momento em questão ele me entrega o fone para eu ouvir, junto com ele, qual música ele tinha gostado. Era Solitary Man, ele cantava baixo, eu estava muito perto dele, e olhava fixo para os olhos verdes lindos que ele tem. Estava tão aconchegante, ele estava tão cheiroso e eu sentia a respiração dele, de tão perto que estávamos. Nesse momento, eu lembro de ter relaxado sobre como aquilo parecia bizarro e esquizofrênico, mas só aproveitei a merda do momento.
Nada sairia daquilo. Não levaria a nada. Eu só parecia mais um gay que se apaixona pelo primeiro hetero que mesmo não sabendo que você é viado, te trata como gente e um amigo, sem masculinidade tóxica, sem a podridão do macho hetero padrão. Mas estava tudo certo.
Se a gente começar a ser ver cada vez menos, e aos poucos perder o contato, pelo menos acho que não vou precisar desabafar muito mais sobre esse assunto aqui kkkk
submitted by Tinyze to desabafos [link] [comments]


80+ Melhores Ideias de Coisas fofas para namorada em 2020 ...